Pular para o conteúdo principal

Resenha | O menino da lista de Schindler - Leon Leyson


Editora: Rocco
Páginas: 256
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 2012.


Misto de biografia e romance de formação, O menino da lista de Schindler acompanha a trajetória de Leon Leyson, o mais jovem integrante e um dos últimos sobreviventes da famosa lista de judeus salvos pelo empresário alemão Oskar Schindler durante a Segunda Guerra Mundial. Intenso como O diário de Anne Frank, o livro chega ao Brasil pelo selo Rocco Jovens Leitores depois de alcançar a prestigiosa lista dos mais vendidos do jornal The New York Times, e oferece uma perspectiva única do Holocausto. Um relato emocionante, corajoso e humano que precisa ser contado às novas gerações.

Comprei este livro por acaso, numa gôndola de mercado. São duas razões que me atraíram, por ser um livro de memórias, o que eu gosto muito e tenho procurado explorar o gênero mais, e por tratar do período da Segunda Guerra Mundial, que também é um tema que gosto de ler e acredito que não possa ser esquecido pelo tempo.

O livro nunca foi escrito no sentido clássico, ele foi fruto de palestras proferidas pelo autor nos seus últimos anos de vida e ele nem chegou a vê-lo trazer frutos, acabou falecendo em 2012, ano de lançamento do livro. Ele nunca quis falar sobre o assunto e convencido por um repórter a dar uma entrevista, acabou sendo convidado para dar palestras por todo os Estados Unidos.

Ele começa a história com 8 anos de idade, relembrando tempos de paz e ambientando como era o tratamento dos judeus antes mesmo de iniciar a guerra. Ele conta que existiam diferenças, mas que de maneira geral, eles tinham uma vida tranquila, tinham a possibilidade de conquistar algumas coisas na vida.

Então, quando inicia a guerra, ele vai relatando aos poucos as restrições que foram sofrendo. Andar na parte de trás do ônibus, não poder sentar nos bancos de praças, posteriormente, não poder ir aos parques e praças, até chegar na exclusão para os guetos e a impossibilidade de trabalhar. Ele relata a fome e a ânsia de buscar pelo próximo alimento.

Ele era muito novo quando a guerra iniciou e a simplicidade do seu olhar se reflete nas memórias dele. Ele relata o primeiro momento em que começou a sentir medo, quando oficiais invadiram sua casa e espancaram seu pai. Ele relata a perda de dois de seus irmãos, as privações que a família teve de suportar.

Mas ao mesmo tempo, ele sabe ser privilegiado porque seu pai era empregado de Schindler. Graças a ação deste nazista, ele, sua mãe, seu pai e alguns irmãos sobreviveram. Então ele permea o livro e tem como objetivo relembrar e comemorar a pessoa do Schindler, o tratamento humano que ele deu aos "seus judeus".

É um livro extremamente forte e triste. Eu não costumo chorar ao ler, mas este livro me trouxe lágrimas aos olhos. Ele foi sortudo e passou por tanta coisa ruim, tanta desumanidade, tanta violência e fome. Imagine quem não foi sortudo.

Uma cena que me marcou também foi quando do fim da Guerra, ele e sua família se mudam para os Estados Unidos, e usando o transporte público, decide se sentar na parte de trás, e logo é informado por um atendente que ele não poderia sentar ali, pois ali era onde sentavam os negros. Ele relata o que sentiu percebendo no país em que ele encontrou sua paz, semelhanças tão grandes com o que ele viveu nos seus tempos de criança.

Eu não li ainda o Diário de Anne Frank, mas este livro deveria ser lido na mesma medida. É uma história que não pode ser esquecida e colocada para debaixo do tapete. As atrocidades que foram cometidas lá não podem ser repetidas nunca mais. Recomendo fortemente a leitura.



E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.