Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #13 | As virgens suicidas - Jeffrey Eugenides


Editora: Companhia das Letras
Páginas: 232
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 1993.

Num típico subúrbio dos Estados Unidos nos anos 1970, cinco irmãs adolescentes se matam em sequência e sem motivo plausível. A tragédia, ocorrida no seio de uma família que, em oposição aos efeitos já perceptíveis da revolução sexual, vive sob severas restrições morais e religiosas, é narrada pela voz coletiva e fascinada de um grupo de garotos da vizinhança. O coro lírico que então se forma ajuda a dar um tom sui generis a esta fábula da inocência perdida.

Primeiro livro que li do autor e amei. É de leitura rápida, até pelo pequeno número de páginas, mas também porque passei o livro inteiro em busca de respostas.

A história-base é o suicídio das 5 irmãs Lisbon, contada através das memórias de um grupo de meninos que moram na mesma rua delas. Eu imaginava que o suicídio seria coletivo e que o livro exploraria o que levou as meninas a cometê-los, entretanto, não é bem isso.

O livro começa com o suicídio da irmã mais nova, Ceci, que é levada às pressas ao hospital e consegue uma sobrevida. Porém, persiste e consegue seu objetivo. Perguntada pelo médico à respeito dos seus motivos, ela diz algo nas linhas de "se vê que você não é uma menina adolescente".

Na verdade, os motivos que a levaram à isto não são claros e fica a cargo do leitor supô-los. Também, não ficou claro para mim se foi o suicídio de Ceci que incentivou os seguintes ou se foram causas diferentes.

Uma das belezas do livro é acompanhar, através dos narradores, o quanto as coisas vão mudando de maneira sutil. Até a casa começa a desenvolver um cheiro estranho, as pessoas da vizinhança vão se afastando, tratando-as como aberrações.

Como os meninos não tem tanto contato assim com as Lisbon, mas são fascinados pela sua beleza e mistério, não há como ter certeza de nada. Eles se reunem numa casa de árvore e observam as coisas se desenrolarem, o quanto os pais as tornam reclusas, as tiram da escola e os meios que elas conseguem para suportar isso e transgredir as ordens dos pais.

Algumas irmãs tem mais destaque do que outras. como a Lux, que demonstra um comportamento mais sexualizado, inclusive se utilizando do telhado como maneira de desafiar a reclusão à qual estão submetidas.

Uma cena perto do final do livro, que não vou contar, mas que quem leu deve imaginar qual seja, foi absolutamente inesperada por mim. Não entendi, mas ao mesmo tempo me fascinou. Continuo pensando em qual foi o objetivo para aquilo.

Enfim, é um livro excelente. Comporta discussões fora do comum. Vale a pena ler. Para mim, não foi possível tirar conclusões sobre tudo o que aconteceu, mas sim, continuar me perguntando sobre. Não assisti ao filme ainda, entretanto, ouvi coisas boas, tá na lista para assistir.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora: Record Páginas: 220 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977.

Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.