Pular para o conteúdo principal

Resenha | Você é Jackie ou Marilyn? - Pamela Keogh


Editora: Globo
Páginas: 296
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2010.


Elas não poderiam ser mais diferentes. De um lado, Jacqueline Kennedy Onassis, nascida em uma família de destaque na sociedade norte-americana, educada nas melhores instituições, esposa do senador John Kennedy e depois célebre primeira-dama dos Estados Unidos. De outro, Marilyn Monroe, filha de mãe desequilibrada e pai desconhecido, criada em orfanatos, um dos maiores mitos sexuais de Hollywood. Mesmo quem nasceu décadas depois que os dois rostos pararam de aparecer na mídia reconhece esses ícones da cultura do século XX. Ambas marcaram época, inspiraram gerações e deixaram marcas duradouras.
No livro Você é Jackie ou Marilyn? – Veja quem você é e aprenda a ser tão poderosa quanto elas, a autora Pamela Keogh propõe um divertido paralelo entre os universos das duas divas. Quais peças Marilyn Monroe guardava no closet? Qual o segredo para o visual “sempre elegante e adequado para a ocasião” que viraria marca registrada de Jackie? Se estivessem vivas, elas incluiriam casacos de peles em seus guarda-roupas? E calças jeans? Onde fariam compras? Como seria hoje a dieta de Marilyn e os cuidados de Jackie para manter a forma? Quais características masculinas elevariam as chances ou descredenciariam eventuais candidatos a namorado ou marido? Como usariam os relacionamentos para atingir seus objetivos pessoais?

Esse tipo de livro faz parte dos meus guilty pleasures. Gosto de ler livros de empoderamento feminino, embora eu reconheça que a maior parte deles seja bobagem.

Neste livro, a autora monta tipo um "guia da garota moderna" a partir das personalidades de Jackie e Marilyn.

Ela abre cada capítulo falando um pouco sobre as vidas de ambas no que concerne aquele tema e depois fala algo como o que "a Jackie moderna" faria em tal situação.

Eu não sei exatamente o que esperava encontrar neste livro, mas fiquei um pouco decepcionada. Por vezes, parece que a autora incentiva as leitoras a serem interesseiras. Ou, delimita demais, como para ser "garotas Marilyn" temos de tomar champagne com morango.

Fiquei incomodada com o tom do livro. Mas gostei de conhecer um pouquinho sobre as personalidades de Jackie e Marilyn, que foram umas das primeiras mulheres a serem reconhecidas no mundo profissional também.

No geral, é um livro bom, mas tem uns probleminhas graves. Creio que indicaria para quem se interessou pela sinopse como eu, ou que gosta das personalidades retratadas.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…