Pular para o conteúdo principal

Resenha | Goosebumps - Bem-Vindo à Casa dos Mortos - R. L. Stine

Editora: Fundamento
Páginas: 88
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1992 com o título de Welcome to Dead House.

Compre na Amazon: Classic Goosebumps #13: Welcome to Dead House

Ter que mudar de cidade e deixar os amigos não é nada fácil. Imagine ter que morar em uma nova casa, que, na verdade, mais parece um velho casarão assombrado?! Josh e Amanda não estão nada à vontade com a decisão dos seus pais, mas tentam se acostumar. As coisas pioram quando Petey, o cachorro deles, começa a agir de um modo muito estranho, e quando Amanda diz que está vendo vultos de crianças pela casa. Será que é só a imaginação dela? E se... essa "imaginação" continuar?

Goosebumps é uma série de terror infanto-juvenil composta por 62 livros públicados entre 1992 e 1997. Muitos dos seus livros inspiraram séries televisivas e filmes. Cada livro tem personagens e histórias diferentes, não se estrutura em sequência. O próprio autor a classifica como "livros de terror que também são engraçados". [1]

O livro é narrado em primeira pessoa pela perspectiva de Amanda. Ela, Josh e seu cachorro Petey são os protagonistas da história. Os pais ficam meio alheios, somente permeando a história. Ao se mudarem para essa casa assustadora, coisas estranhas começam a acontecer. Aparições de crianças, Petey que é bastante dócil começa a fugir e atacar pessoas. As crianças dessa nova cidade também são sinistras.

O terror desse livro, é claro, é bastante simples e óbvio. Quando sabemos que eles estão se mudando porque um tio-avô que ninguém lembra lhes deixou de herança essa tal casa, tem coisa errada. Também não há nenhuma caracterização de personagens muito especial.

Amanda e Josh tem um relacionamento típico de irmãos, que se implicam e um quer mais atenção que o outro. São bastante infantis, por isso mesmo, consistente com as suas idades literárias.

Para o público que se destina, essa é uma obra bastante legal. Lembro que na época em que li a primeira vez esse livro já não gostei muito, eu devia ter uns 14 anos (já era velha demais para ele, haha). Para crianças, essa história deve ter muito mais atrativos.

Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Olá Rafa, tudo bem?
    Eu nunca li este livro, mas me parece ser bem legal. Para falar a verdade, eu nunca li nada do estilo "terror", mas tenho vontade de me aventurar neste sentido e sair um pouco dos romances.
    Adorei a sua resenha.
    Beijos,

    http://palacioliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cintia!
      Eu também sou novata no gênero. Eu sou daquelas que morrem de medo. Como eu leio de noite e moro sozinha... nossa, evito! haha
      Mas também adoro a sensação de angústia que esse gênero causa.

      Beijos!

      Excluir
  2. Eu adoooooooooooro essa série <3
    Li 2 livros no mesmo dia HAHAH
    São mega divertidos né?
    Eu li o da máquina fotográfica, já ouviu falar? Recomendo
    beijos

    http://livrodecapadura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!

      Acho que não li esse, eu tenho mais dois dessa série em casa, pretendo reler também quando estiver por lá. É super divertido mesmo!

      Beijão

      Excluir
  3. É bastante descontraído o filme. Descobriu-se melhor do que eu esperava! Goosebumps é uma boa combinação de aventura e comédia é divertida e consegue agradar tanto que sabem o que vai ver e aqueles que nem sequer sabem da existência de livros ou série. Não é um filme perfeito, mas tem vários elementos em seu favor, também aproveita os monstros apresentados para inclusão em situações engraçadas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever