Pular para o conteúdo principal

Resenha | Poder - Sarah Pinborough

Saga Encantadas - Livro 3
Editora: Única
Páginas: 224
Estrelas: 
Skoob
Publicado originalmente em 2013 com o título de Beauty

Acordar uma princesa pode ser letal. Para fãs de Once Upon a Time e Grimm, a série Encantadas prova que contos de fadas são para adultos! Quando um príncipe mimado é enviado pelo seu pai para tentar desvendar os mistérios de um reino perdido, ninguém imagina os perigos que ele encontrará pela frente! Acompanhado da figura sóbria e sagaz do Caçador e de Petra, uma jovem valente que possui uma ligação muito forte com a floresta, o príncipe acaba encontrando um reino adormecido por uma estranha magia. Todos os seres vivos foram cercados pela densa mata e estão dormindo, em um sono pesado demais, que só poderia vir da magia. Mas que tipo de bruxaria assolaria uma cidade inteira e seus habitantes? E, principalmente, quem faria mal a uma jovem rainha tão boa e tão bela? A não ser, claro, que os olhos não percebam o que um coração cruel pode esconder... Poder é o terceiro volume da trilogia Encantadas, e traz como história principal o conto da Bela Adormecida. Porém, esqueça os clichês tradicionais e se entregue a uma nova visão dos contos de fadas, em que heróis e anti-heróis precisam se unir para não perecerem à beleza superficial de princesas e rainhas egocêntricas e aos príncipes em busca de aventuras.

Compre esse título na Amazon: Beauty   


Você pode acessar aqui a resenha do primeiro livro da saga: Veneno
E do segundo livro: Feitiço

Um jovem príncipe tem vivido a vida até demais, com altas noitadas de bebidas e sabe-se-lá o que mais. Seus pais resolvem o mandar para uma aventura. Existe um mistério num reino próximo que dizem que existia, mas desapareceu. Acompanhado do Caçador, designado para protegê-lo e por Petra, que é encontrada no caminho a esse reino misterioso na cabana de sua vovózinha na floresta, eles desvendam o mistério d'A Bela Adormecida.

Ao contrário dos outros livros da série, esse é contado na perspectiva do príncipe. O que, a meu ver, foi uma decisão bastante lógica, afinal, a Bela não poderia já que estava dormindo... anyways...

Quando eles chegam no castelo e descobrem uma linda princesa adormecida, o principe sente-se compelido a beijá-la e assim, a acorda do seu sono profundo. O que eles não sabiam é de um segredo que essa princesa (que na verdade é rainha, seus pais já morreram) carrega. Digamos assim, de dia é Maria, de noite é João.

Eu tenho Poder como meu preferido da série. O que eu reclamei dos outros dois livros, que foram  as contradições nos personagens, não notei neste. A única reclamação: eu queria que a série continuasse ou que tivesse mais páginas, já que nesse livro realmente encontramos essa característica de Once Upon a Time, as histórias se entrelaçam realmente aqui. Nesse livro, temos Bela Adormecida, Bela e a Fera, Rapunzel, Rumpelstiltskin e Chapeuzinho Vermelho. Também um certo aproximamento com um lobisomem.

Eu só me liguei da jogada da autora no final e não quero entregar nada, talvez alguns consigam perceber de cara. Gostei bastante do "final" do livro.

A editora, além de manter a linda edição dos outros dois livros, traz uma entrevista com a autora ao final deste. Não leia sem ter lido o livro antes! Lá ela explica algumas decisões que tomou e como construiu a história.

Embora essa não seja uma das minhas séries preferidas, acho que é uma boa série. Eu achei bastante divertido imaginar as princesas de uma maneira mais adulta e sensual. E não tem como personagens mais agressivos não tornarem a história mais real, diferente dos contos na versão Disney.

Você já embarcou nessa série? Deixe sua opinião nos comentários!


Comentários

  1. Olá Rafa!
    Que bom que gostou.. eu também adorei o livro. A autora escreveu de uma maneira muito inteligente, não é?
    Adorei a ideia de "de dia é Maria e de noite é João", hahahaha
    Ficou muito boa a sua resenha..você teve a mesma visão que eu do livro.
    Beijos!

    http://palacioliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cintia!

      Eu gostei bastante. Não sei se li com desatenção, mas quando cheguei no final e percebi o que ela tinha feito, adorei! haha

      Beijos!

      Excluir
  2. Que livro perfeito! Eu não conhecia antes, mas depois da sua resenha fiquei louca para ler! adoro estórias desse tipo!!

    Beijos!

    http://bettinablanco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever