Pular para o conteúdo principal

Série | Girls

Eu conheci essa série e algum blog no início do ano. Acabei devorando as temporadas já lançadas em fevereiro e agora acompanho semanalmente os novos episódios. Sem perder um!

Girls narra a história de Hanna Horvath, uma aspirante a escritora que precisa se virar sozinha depois que seus pais decidem retirar a ajuda financeira. Com 24 anos, a protagonista é acomodada, insegura, mimada e que tem sérios problemas de autoestima, compondo um personagem complexo e que pode evoluir bastante ao longo da série.
Além de Hanna, Girls também apresenta Marnie, uma recepcionista da galeria de arte, cujo sonho é trabalhar com questões ambientais. Ela é apresentada como a mais “responsável” do grupo, mas mesmo assim vive um relacionamento completamente enfadonho com alguém que não combina com ela. Já Jessa é uma britânica estudante de filosofia, que afirma ter viajado pelos quatro cantos do planeta. Seu estereótipo é o da garota descolada e bem resolvida, mas logo percebemos que as coisas não são exatamente da forma que ela demonstra. A última personagem é Shoshanna, a prima de Jessa. Entre todas as garotas, esta foi a que menos teve destaque no piloto, sendo mostrada apenas como uma pessoa boba e ingênua, que adora Sex and the City.


Então, de cara já vou dizer, eu acho que essa série é uma espécie de Sex and The City para jovens. Não adolescentes, nem adultos. É destinada para aquele grupo de pessoas (no qual eu me incluo) que está na faculdade e está tentando viver a vida nessa transição.

Ou seja, trata de coisas como faculdade, trabalho, sexo, drogas e amizades no meio disso tudo. Trata dessa ambiguidade que é não ser mais adolescente e dependente dos pais, nem ser um adulto completo com todas as responsabilidades que isso traz. 

Eu adorei demais, fiquei viciada. Ela não adoça nada para descer melhor. De início, já vemos os personagens com todas as suas esquisitices. Tipo o Adam, namorado da Hanna. Ele é aquele tipo de pessoa bem peculiar, meio solitário, em primeira vista, me pareceu um canalha, talvez até mesmo abusivo e depois, a série mostrou que na verdade, ele é só uma pessoa, com lado bom e lado ruim.

Rolou uma identificação com as situações mostradas na série. Claro que nela, tem alguns exageros, mas a essência acontece com todo mundo. E o melhor, os temas não são tratados como drama, e sim, comédia. Cada um deles, como é de praxe,  tem um defeito e sofre as consequências normais disso, mas não é para nos trazer pena ou nos conscientizar para o bullying ou abuso de drogas, é para rir e mostrar que erros todos cometem e ainda assim, o mundo não acaba.

Eu achei uma abordagem bastante interessante, trazer o humor para debater questões sérias. E recomendo para quem ficou órfão de Sex and The City.

Você conhece? Assiste? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Ainda não vi nenhum Epi desse seriado, mas vi que ganhou premios e tudo. Talvez me aventure por ele. É que minha lista de serie é extensa. rs

    Milhões de beijos

    www.reticenciando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie! Td bom?

      Eu entendo totalmente... a lista de séries/filmes só não é maior que a lista de livros haha mas essa vale a tentativa, eu amei *.*

      Bjs

      Excluir
  2. Não faz muito meu tipo :s
    Sou mais séries como Sherlock, Doctor Who e Almost Human. Ficção científica é meu amorzinho <3

    http://pausaparaumcafe.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou bem bipolar. Adoro Sherlock, Law & Order assim como Parenthood, Girls e Once Upon a Time. Só não me atrai séries como The Walking Dead, Grimm (basicamente, com zumbis feios haha)

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi, Rafa!

    Assisti até o 14 de Girls e não gostei muito, sabia?!?! Achei meio monótono esse começo, sabe? Esse jeito que algumas séries tem de acontecer devagar? hehehe Não sei se deu para me entender! rsrs

    Mas ainda tenho planos de dar uma segunda chance!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uéé! Eu me apaixonei de cara pela série. Inclusive, foi durante a Maratona Literária, mas eu abdiquei total dos livros até terminar a série haha
      Que pena que vc não curtiu muito!

      Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.