Pular para o conteúdo principal

Filme | O Hobbit - Uma jornada inesperada

Olá, tudo certo por ai?

Como este é meu primeiro post no blog, antes de mais nada, devo me apresentar a vocês. Então vamos lá:
Pra quem não me conhece, meu nome é Raul Mendes, tenho 22 anos, sou moreno, alto, olhos verdes, atlético. E pra quem me conhece, sabe que tirando o nome e a idade, o resto é mentira. Mas falando sério, sou o mais novo colunista do blog, e vou aqui expressar minhas mais sinceras opiniões sobre filmes em geral.

E o filme da vez é:
O Hobbit - Uma jornada inesperada


Vamos a ficha técnica:
Lançamento: 14 de dezembro de 2012
Dirigido por: Peter Jackson
Com: Ian McKellen, Martin Freeman, Richard Armitage e mais...
Gênero: Aventura, Fantasia
Titulo Original: The Hobbit - An Unexpected Journey
Duração: 2h45min





Sinopse:

Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) vive uma vida pacata no condado, como a maioria dos hobbits. Um dia, aparece em sua porta o mago Gandalf, o cinzento (Ian McKellen), que lhe promete uma aventura como nunca antes vista. Na companhia de vários anões, Bilbo e Gandalf iniciam sua jornada inesperada pela Terra Média. Eles têm por objetivo libertar o reino de Erebor, conquistado há tempos pelo dragão Smaug e que antes pertencia aos anões. No meio do caminho encontram elfos, trolls e, é claro, a criatura Gollum (Andy Serkis) e seu precioso anel.






O Hobbit é a primeira grande história sobre a Terra-Média do fantástico J.R.R. Tolkien. Uma história infantil, pra entreter crianças e adultos, uma leitura simples e fácil. Mas não viemos aqui falar só de Tolkien, nem somente do livro, mas sim da primeira parte da trilogia feita por Peter Jackson.
O Hobbit já começa com alguns problemas internos, Guillermo Del Toro seria o responsável, a principio por apenas um filme, por motivos de que Peter Jackson ainda estaria processando o estúdio para receber dinheiro de O Senhor dos Anéis. Depois de algum tempo Del Toro fora, Sr. Peter Jackson dentro, alegria para os fãs. Mas, pouco tempo depois, a insegurança paira sobre os fãs, é declarado que O Hobbit seria dividido em três partes, ou seja, mais uma trilogia da Terra-Média. ‘Insegurança por quê?’, vocês podem estar se perguntando, eu respondo sem problema nenhum. Todos que já leram o livro, sabem que é um livro absurdamente pequeno comparado ao O Senhor dos Anéis, o desafio de Peter Jackson e equipe seria ao contrário dessa vez, entregar um filme de, mais ou menos,  duas horas e meia, de um livro pequeno, diferente do que fez em O Senhor dos Anéis, onde “enxugou” (brilhantemente na minha opinião) três livros em três filmes fantásticos.
Mas falamos do filme agora. Pra mim, como primeiro de uma trilogia, o filme até funciona bem, o enredo segue bem, as cenas são legais, tem alguns alívios cômicos pra gente não cansar de ficar sentado assistindo, tem boas cenas de luta.
Temos um Ian McKellen de Gandalf (novamente) fantástico, não é que o cara encarnou perfeitamente o mago cinzento. Também temos um Martin Freeman encarnando um Bilbo Bolseiro também fantástico, com ares de um hobbit inteligente, astuto, esperto, engraçado e ladrão. Não vou citar todos os atores e seus personagens, mas todos foram perfeitos: Elrond, Radagast, Thorin, Balin, etc e tal.
Fica aqui uma menção honrosa pra nossa bela Cate Blanchett, mais uma vez mostrando que ela é perfeita para o papel da também bela Galadriel. Vendo a Galadriel (Cate Blanchett) eu consigo entender o pedido do Gimli em O Senhor dos Anéis.
O desenvolvimento dos personagens também funciona, até certo ponto. Como, por exemplo, Thorin Escudo-de-Carvalho, de inicio ele dá todos os sinais de que é igual a seu avô e pai, obscecado pela montanha, Pedra Arken, e ouro. Mostra-se bem seu orgulho, seus odios, e suas magoas. Com o decorrer do filme, percebe-se a evolução do personagem, principalmente depois de Bilbo provar seu valor.
A meu ver o filme fica devendo um pouco em suas partes finais, poderia ter seguido um pouco mais, ou um pouco menos a história. Sinceramente, ao final do filme, não senti aquela vontade de “Meu Deus, imagina a sequencia”.
Nessa primeira analise de filme, não entrarei em detalhes de livro x filme. Como disse, o filme funciona, é legal, vale a pena assistir, não é um filme cansativo, apesar de ter 2h45min.
Mas não pouparei veneno para o segundo filme da trilogia O Hobbit – A desolação de Smaug. Preparem-se, na próxima semana, ou quando me deixarem postar.


Bah 1: Achei a cena dos trolls genial, quando eu li o livro, pela primeira vez, era exatamente assim que eu imaginava a coisa toda.

Bah 2: Saruman, Elrond, Galadriel e Gandalf em Valfenda (Rivendell) é outra cena absurdamente genial. Gandalf tentando provar seu ponto de vista e descoberta, enquanto Saruman, simplesmente ignora e “ridiculariza” Gandalf perante aos elfos presentes.

Bah 3: Falando de cenas genias. ‘Charadas na escuridão’ ficou fantástica. É a cena (capitulo no livro) onde Bilbo encontra o anel e Gollum, pelo titulo ja da pra perceber que o encontro deles é regado de charadas.

Bah 4: Agora uma curiosidade sobre o Bah acima. Tolkien mudou esse capitulo cerca de 3 vezes, tudo pra poder encaixar o anel em O Senhor dos Anéis.

E você já leu/viu O Hobbit? O que achou? E sobre o post, concorda ou discorda? Não poupe seu teclado despeje nos comentários seu amor ou ódio.

Comentários

  1. Olá, Raul!

    Gostei da sua resenha (:

    Então, quando eu terminei de assistir O Hobbit saí do cinema maravilhada. Essa sensação foi triplicada na Desolação de Smaug, mas enfim. Adorei conhecer os dorfs, já que até agora, para quem só viu os filmes, o Gimli era nossa única referência. O filme foi engraçado, com vários momentos de história, pra gente se situar e outros momentos de ação.

    Minha cena preferida, definitivamente, foi a do Gollum com o Bilbo. Que diálogo perfeito!

    Vale muito a pena!

    Beijos,

    Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado ;)

      Bom, eu tentei, mas realmente, não gostei de como terminou o filme. E sobre A Desolação de Smaug, eu não gostei mesmo. Mas ainda vou escrever sobre ele.

      Realmente, a cena do Gollum com o BIlbo tá fantástica, fiel ao livro, o dialogo inteiro..

      ;D

      Excluir
  2. Muito legal sua resenha :) lembro que assisti o filme há mt tempo e n me lembro muro da história... Então marquei já pra ver de novo :)
    Forever a Bookaholic

    ResponderExcluir
  3. Ficou boa a resenha tio, mas continuo sem entender o que tu não gostou dos filmes, pelo menos hoje em dia só de ter um bom elenco, uma boa atuação, um roteiro razoável e o filme não cansar, já é considerado um filme bom, acima da média digamos, comparado com tantas porcarias que andam saindo atualmente, tá difícil olhar um filme novo e dizer que foi um filme bom, diferente do Hobbit. Também fiquei com isso de poucas expectativas para o próximo, provavelmente por causa de saber o que acontece. E tu só falou coisas boas dele, então como não gostou )o) ausdhasud

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu não sei onde eu disse que não gostei de Uma Jornada Inesperada O.o
      Só achei o final um pouco fraco por se tratar do primeiro filme de uma trilogia.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.