Pular para o conteúdo principal

Quotes #4


Especial de Uma História do Mundo por David Coimbra
(resenha aqui)

"Ou seja: os répteis são responsáveis pelo sexo como nós o conhecemos e, por consequência, pela psicanálise, pela minissaia e pelas calcinhas de renda, por quase toda a música e literatura, pela escova progressiva, pelo bronzeamento artificial, pelas calças legging e por muitas das minhas noites de dor."
"Como sempre digo e repito, e repetirei agora, o grande problema das ciências humanas é que elas não são exatas. A matemática, por exemplo, é muito reconfortante com suas certezas inalteráveis. Você analisa um cálculo qualquer, digamos o clássico 2+2, e sabe que seu resultado será sempre o mesmo. No caso, 4. É tão bom isso. É tão seguro, tão reto, tão dignamente previsível. Se tudo fosse assim, matemático, a vida estaria resolvida. Os psicanalistas e os advogados estariam todos desempregados; não haveria guerras ou quizílias invencíveis. Se bem que, há de se admitir, não haveria o que é chamado de a Grande Arte, porque não haveria aflições para torturar a alma de um Beethoven, de um Mozart, de um Van Gogh, de um Dostoiésvski, e a Grande Arte só se faz com grandes aflições. Sem dor não existe grandeza."
"A culpa é a argamassa da civilização. Se o homem não sente culpa, ele pode fazer o que quiser. Se fizer o que quiser, não poderá viver com os outros. Não haverá civilização. A civilização depende da coerção dos instintos. Depende da culpa."
"A vida sem fritura, você sabe, pode ser uma vida mais magra, mas é menos divertida."
"O homem prefere as certezas da prisão às dúvidas da liberdade."

Comentários

  1. "A civilização depende da coerção dos instintos." Tão Thomas Hobbes isso! Adorei a quote :)
    Aliás, adorei todas elas hahaha
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente! Esse livro é mto legal *.* hehe
      Bjs

      Excluir
  2. Adorei os quotes.
    Esse último é épico.
    beijos,
    http://cookierobsten.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…