Pular para o conteúdo principal

Marcadores de Livros Hand Made


Oi, tudo certo?

Eu ainda não cheguei a comentar por aqui, mas além de livros, eu sou apaixonada por D.I.Y. e artes manuais. É um hobbie que eu venho desenvolvendo desde os 10 anos de idade. Comecei pintando em MDF, depois conheci o crochê, o tricô, o bordado, pintei telas e costurei algumas coisas.

Existe no universo craft uma variedade de artesanatos voltados para leitores. Esses marcadores são só um pequeno exemplo. Quando estava em férias, acabei pegando um restinho de linha e segui um gráfico. Quero um cada cor! Adorei fazer e já encontrei vários outros para testar.

Você coleciona marcadores? Tem algum em crochê? Deixe nos comentários!

Comentários

  1. Oi, gatona!
    Eu curto muuuuuito marcadores, mas não pode-se dizer que é uma coleção por que, como só leio um livro por vez, uso sempre só um deles, os outros ficam guardadinhos haha
    Não tenho nenhum de crochê! Bateu uma invejinha branca e vou pedir pra vovó fazer para mim, já que não tenho toda sua habilidade! hahaha

    Adorei o blog e já estou seguindo.
    Beijão!
    www.enfimepilogo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Que amor!!! Adorei!! Você é muito talentosa, Rafa! =D

    ResponderExcluir
  3. Deve ser bem relaxante fazer essas coisas e gratificante marcar seus livrinhos com elas.
    :)

    ResponderExcluir
  4. Oi Rafa, tudo bem?
    Nossa, achei lindo o seu marcador. Eu também gosto de artesanatos, menos o crochê que nunca dei conta de fazer, acho muito difícil, mas eu achei muito lindo.
    Beijos

    palacioliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bom?
    Eu faço coleção de marcadores e adorei esse que você fez. Tenho um de pompom que foi feito por uma amiga e gosto muito.
    Quando eu era pequena eu fazia bordados, mas hoje nem me lembro mais como eram os pontos.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…