Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Dominó Preto - Florbela Espanca


Editora: Martin Claret
Páginas: 127
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado originalmente em 1982 com o título de O Dominó Preto

O Dominó Preto inclui vários contos escritos por Florbela nesta altura em que se sentia menos virada para a poesia, e enquanto se dedicava a traduções de romances franceses, dadas as fracas condições económicas. Mostra-se um livro mais ligeiro e menos imbuído do tom funesto e soturno que Florbela imprimirá ao seu livro de contos seguinte, As Máscaras do Destino. No entanto, devido às partilhas dos direitos de autor, o livro só seria publicado em 1982, passados cinquenta anos sobre o desaparecimento da poetisa.

Não é segredo para ninguém que não sou fã de contos, entretanto, tenho tentado ler mais e entendê-los mais. Esse é um pequeno livro de contos que tem como temática principal as mulheres, exceto o último.

Mas não são sobre mulheres destemidas, mulheres ativistas, mulheres fantásticas. Na verdade, é um retrato da condição da mulher. Os protagonistas, na sua maioria são homens que ficam interessados em alguma mulher, e com isso, a mulher é vista através de seus olhos.

Embora publicado em 1982, provavelmente foi escrito em meados de 1927, portanto, trata-se de uma época bastante diferente da atual. Aqui, as mulheres admiradas são as castas, puras, à semelhança da mãe. Enquanto que mulheres ditas diferentes disto devem ser afastadas a todo custo.

O primeiro conto, Mulher de Perdição, é o primeiro e mais longo conto. Os outros, ocupam poucas páginas. Porém, uma coisa que me chamou a atenção foi que mesmo em contos de 10 páginas, eu tive um envolvimento com a história contada.

Eu achava que contos, para serem bons, deveriam ser longos, aproximando-se de novelas, na extensão. Porém, a autora me provou errada. Gostei muito da leitura desse pequeno livro.

São curtas histórias para se ler em pequenos momentos de lazer ao longo do dia. Eu o li em momentos ociosos no escritório, quando tinha um tempinho. Não toma muito tempo para a leitura e vale a pena pela qualidade de escrita.



Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro