Pular para o conteúdo principal

Resenha | Angélica, Marquesa dos Anjos - Anne e Serge Golon

Angélica #1
Editora: Círculo do Livro
Páginas: 618
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 1956.

Na França de Luís XIV, Angélica Sancé de Monteloup, filha de um nobre arruinado, é obrigada a se casar com um desconhecido a quem acaba amando; mas sua felicidade é ameaçada por perseguições políticas e religiosas contra o seu marido (o Conde Joffrey de Peyrac) — um homem muito rico e estranho, com sua alquimia e uma cicatriz no rosto. Com seu poder e riqueza, ele desafiava Luis XIV, mesmo de Toulouse, onde moravam...

Comecei, finalmente, a ler esta série que minha mãe praticamente me pressiona a ler desde que eu era criança. Essa série, no Círculo do Livro, tem 14 livros, todos eles bastante grossinhos e cheios de história.

Ainda em considerações iniciais, eu recomendo a leitura deste texto aqui. É completísimo e fala sobre a vida dos autores, da construção dos romances, dos aspectos feministas do livro. É excelente!

Na verdade, além de um romance, estes livros são um apanhado histórico do período que retratam.

O livro aborda na infância de Angélica, sua criação num internato religioso, seu casamento arranjado, seus primeiros filhos, um julgamento...

Enfim, são 618 páginas que vão muito além do romance comum, talvez por isso eu tenha demorado tanto para ler este livro. Eu estava esperando um romanção meloso, estilo romance de banca, mas na verdade, ele vai um pouco além, com extrema atenção aos detalhes da época.

Por isso mesmo, ele ocupa várias páginas com ambientação e por isso, lê-se mais devagar. Eu fui me envolver com a história na segunda metade do livro, quando há um casamento real e uma viagem à capital.

Na primeira parte do livro, além da infância e criação da Angélica, temos o casamento dela. Ela foi negociada em casamento com Joffrey, que é coxo, que repugna a Angélica quando o conhece, além disso, ele tem fama de libertino, e faz discussões na sua casa para discutir o amor e os filósofos.

Aos poucos, ele conquista ela. Na verdade, é uma cena bastante engraçada e imprópria, haha. Ela acha estar se entregando para um cantor mascarado, quando descobre que, bom, é seu marido. Mas como eu disse, essa é apenas a primeira parte do livro.

É difícil resumir o que acontece no livro, pois são tantas coisas. Por isso, só alerto o leitor para esperar muito mais que um romance. Na verdade, o romance típico ocupa poucas páginas do livro. Esse primeiro livro conta a história de Angélica mesmo, da sua construção como mulher. Pretendo continuar lendo, mas vai me tomar um tempinho, são 14 volumes!


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.