Pular para o conteúdo principal

Resenha | O homem que calculava - Malba Tahan


Editora: Record
Páginas: 300
Estrelas: ✬✬✬
Publicado em 1938.


As proezas matemáticas do calculista persa Beremiz Samir - o Homem que Calculava - tornaram-se lendárias na antiga Arábia, encantando reis, poetas, xeques e sábios. Neste livro, Malba Taham relata as incríveis aventuras deste homem singular e suas soluções fantásticas para problemas aparentemente insolúveis.

Este é outro livro que me foi recomendado por um professor no ensino médio e que acabei lendo com atraso. Não me lembro mais se era um professor de matemática, filosofia ou física, mas lembrando de suas personalidades, acredito que seja o de física haha

Este é um livro nacional publicado em 1938 que ainda é lido até hoje. Ele tem dois diferenciais. Primeiro, o tema, trata-se de um livro de matemática, de raciocínio lógico, cheio de curiosidades matemáticas. E segundo, porque ele se utiliza de uma estrutura árabe.

Ele é um romance, porém, estruturado em histórias singulares a cada capítulo. O exímio calculista vai espalhando seu raciocínio enquanto viaja até que acaba sendo protegido de um nobre.

Ele é procurado para resolver problemas insolúveis, desde divisão de herança até um grande teste que ele passa no final, para provar seu valor, com testes filosóficos e religiosos.

É um livro bastante curioso, eu não conseguiria resolver nenhum dos mistérios resolvidos neste livro. Ah, e há no livro a demonstração matemática e lógica do raciocínio do matemático.

Realmente, é um livro interessante de ser recomendado por um professor, ainda mais de uma matéria tão detestada quanto a matemática, porque no livro, é demonstrada a parte bonita da coisa. São quesitos cotidianos, que se resolvem de maneira lógica, mas que acabam sendo interessantes. O livro não me encantou tanto, mas gostei de tê-lo lido, meu apreço por raciocínio lógico cresceu consideravelmente depois da leitura.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

  1. Oi Rafaela,
    Só li uma resenha desse livro (sem contar a sua que li agora) há muito tempo.
    Por conta disso, de se ver a parte boa da matemática no livro, fiquei curiosa para lê-lo, pois sempre odiei os números.
    Beijos, Tão doce e tão amarga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!!
      Sabe, eu sou daquelas "faço humanas, não sei matemática" haha
      Mas realmente, a beleza dos números desse livro me conquistou - não a ponto de me "converter em exatas", mas valeu a pena.

      Beijão!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever