Pular para o conteúdo principal

Leituras da Semana #36

Nesta semana quebrada de fim de 2015 e início de 2016, eu consegui cumprir minha meta do ano reajustada. Eu já contei pra vocês que minha meta original para 2015 eram 156 livros, em outubro, atingi a meta e fui seguindo, até que, em meados de novembro, eu percebi que talvez conseguisse chegar em 200 livros lidos.

No dia 31 de dezembro, concluí certinho em 200 livros lidos. Dentre as últimas leituras do ano, estava Cidade das Cinzas. Nem contei ainda por aqui que comecei a ler Os Instrumentos Mortais da Cassandra Clare. Eu só quero adiantar que: 1) A autora não tem a menor noção de como fazer suspense e surpreender o leitor e; 2) A única vez que ela me surpreendeu, com o final do primeiro livro, foi simplesmente horrível e óbvio que ela estava enganando o leitor para fazer charminho.

Isso dito, eu preciso dizer que os primeiros três livros da série, que são os que já li, são extremamente divertidos. É aquilo, não leia pela surpresa e sim, pela diversão. Sem pretensões e expectativas. Aliás, o Cidade de Vidro foi o último livro lido do ano. Iei! Comecei a semana terminando Cidade das Cinzas e concluí o ano com Cidade de Vidro.

Eu li também a edição ilustrada de Branca de Neve, absolutamente linda! E li O Fantasma de Canterville e outras histórias, do Oscar Wilde.

O Fantasma de Canterville é hilário e uma crítica forte aos costumes ingleses, aos americanos, às histórias de fantasmas, entre tantas outras, incluindo as que provavelmente perdi. Recomendo fortemente a leitura! Alguns outros contos desta edição não são tão legais assim, mas o que dá o nome ao livro e o último conto, que conta a história de um homem que foi "diagnosticado" por um quiromante como quem cometeria um crime e as consequências que isso traz na sua vida, são excelentes. 

Este conto que refiro se chama O crime de Lorde Arthur Savile e nele encontram-se também críticas fortes, além de ser engraçado pela ironia que carrega.

E sobre o Branca de Neve, eu deixo a ilustração abaixo. Se ela não o fizer cobiçar este livro com todas as suas forças, bom, então nada do que eu escreva o convencerá da beleza deste conto.



E como primeiro livro do ano, terminei de ler Branca dos Mortos e os Sete Zumbis de Fábio Yabu. Um livrinho certamente macabro e assustador, assim como engraçado e divertido. Creio que no mundo do autor não existem mocinhos, todos os personagens ganham um tom meio sinistro e vilanesco. Gostei bastante da coletânea. Acredito que o conto da menina dos fósforos permanecerá me assombrando.

Eu estou em férias até o dia 18/01, então, estou aproveitando para ler os livros da mãe, todos esses títulos são dela. A impressão que eu tenho é que cada vez que risco um livro dela da minha lista de "por ler", outros três surgem no lugar. Mas, a tentiada é livre e enquanto puder, vou lendo.


O que você tem lido? Já leu algum destes títulos ou pretende ler?
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever