Pular para o conteúdo principal

Resenha | Segredos de uma noite de verão - Lisa Kleypas

As Quatro estações do amor #1
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Estrelas: ✬✬✬✬

Apesar de sua beleza e de seus modos encantadores, Annabelle Peyton nunca foi tirada para dançar nos eventos da sociedade londrina. Como qualquer moça de sua idade, ela mantém as esperanças de encontrar alguém, mas, sem um dote para oferecer e vendo a família em situação difícil, amor é um luxo ao qual não pode se dar.
Certa noite, em um dos bailes da temporada, conhece outras três moças também cansadas de ver o tempo passar sem ninguém para dividir sua vida. Juntas, as quatro dão início a um plano: usar todo o seu charme e sua astúcia feminina para encontrar um marido para cada, começando por Annabelle.
No entanto, o admirador mais intrigante e persistente de Annabelle, o rico e poderoso Simon Hunt, não parece ter interesse em levá-la ao altar – apenas a prazeres irresistíveis em seu quarto. A jovem está decidida a rejeitar essa proposta, só que é cada vez mais difícil resistir à sedução do rapaz.
As amigas se esforçam para encontrar um pretendente mais apropriado para ela. Mas a tarefa se complica depois que, numa noite de verão, Annabelle se entrega aos beijos tentadores de Simon... e descobre que o amor é um jogo perigoso.
No primeiro livro da série As Quatro Estações do Amor, Annabelle sai em busca de um marido, mas encontra amizades verdadeiras e desejos intensos que ela jamais poderia imaginar.

Nem terminei de ler a série Os Hathaways da autora e já comecei a ler outra, vai entender. Também com este livro aproveitei as férias e o acervo da mãe. Inclusive, já foi lançado o segundo livro da série, então, é bom ter lido o primeiro.

A história é engraçada, a união das solteironas com objetivo de encontrar maridos para todas. A primeira, e mais velha, logo a com menos chances de casar, é a protagonista desse primeiro romance. 

Annabelle, por ser mais velha e por não ter dote, vai à bailes sem esperanças, fica sentada num canto fingindo não querer dançar. O único homem que a tira para dançar é o detestável Simon, inconveniente e libertino.

Nessa situação, ela e as outras solteironas começam a conversar e resolvem unir forças. Avaliam os cavalheiros solteiros e escolhem uma presa. A melhor oportunidade será numa reunião no campo que acontecerá mais para frente.

A situação da protagonista se agrava pela condição financeira da família. Desde a morte do pai, ela nota coisas sumindo pela casa e algumas visitas de um velho asqueroso à mãe em horários impróprios.

Eu gostei bastante do primeiro livro, mesmo que considere um tanto anti-éticas as condutas das mocinhas. Geralmente vemos competição entre mulheres e não cooperação, o que deu um charme ao livro.

Também, agora consolidei minha opinião de que esta autora tem uma quedinha pelo dramático. Lá pro final do livro, acontecem algumas coisas bem melodramáticas, característica que já estava presente nos Hathaways também.

É difícil errar com esses romances que estão sendo publicados pela Arqueiro. Embora eu goste mais de algumas séries do que de outras, todas elas são divertidas e diferentes. Se você gosta do gênero, conheça essa nova série.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

  1. Eu ri quanto você falou que a autora tem uma quedinha pelo dramático. kkkk Gostei muito do seu blog. Que nome legal que escolheu <3 acho alpargatas lindas! Nunca li nada da autora, mas quero muito conhecer escrita dela. A capa é linda... a Arqueiro lançando belas obras.
    Passa lá no blog.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever