Pular para o conteúdo principal

Leituras da Semana #38

Outra semana bem gorducha em livros lidos. Eu tinha que terminar os livros da TBR de Janeiro para voltar para casa zerada em livros por ler e, as vezes, metas me estimulam tanto que eu extrapolo. Foi o caso dessa semana.

Comecei terminando de ler a série Os Instrumentos Mortais com Cidade do Fogo Celestial, um final digno. Ainda vou falar sobre essa série aqui no blog. E aproveitando o embalo li As Crônicas de Bane, um livrinho bem dispensável, para ser sincera.

Depois, terminei de ler O Rei de Amarelo. Bah, eu esperava algo melhorzinho, mas não consegui me envolver na mitologia do rei e foram poucos os contos que gostei. Não que ele seja ruim, alguns contos são realmente bons, mas outros foram, bem, menos do que eu esperava.

Na madrugada antes de viajar, eu resolvi ler O Vilarejo, do Raphael Montes. Esse sim, contos sangrentos e macabros, não recomendados para a madrugada. Gostei dos contos individualmente e gostei de como eles se entrelaçam.

E aí, chegando em casa, já risquei dois livros da TBR (tentando cumprir a meta-mor de 2016, que é diminuí-la). O Diário Secreto de Lizzie Bennet me surpreendeu porque é um livro adaptado da web série (que aliás, eu já comentei aqui), e por isso, eu esperava aquele climão de livro-roteiro, só que me enganei! O livro lê super bem e é absolutamente divertido.

E para fechar os concluídos da semana, peguei um livro que comprei logo quando lançou, mas fui guardando, guardando, guardando, e um ano depois, cá estamos, Homens, mulheres & filhos. Gostei demais da temática do livro, que envolve sexo, relacionamentos e a sociedade digital. É um livro pesado e tem um tom sarcástico e crítico fantástico.

Avancei bastante em Guerra e Paz, concluí o primeiro Tomo do primeiro volume. Estou tentando terminar o primeiro volume em janeiro e ler o segundo em fevereiro. Gostando bastante de como o Tolstoi intercala narrativas de guerra propriamente dita, nos campos de batalha e suas estratégias, com períodos de paz, na sociedade russa e os relacionamentos entre os nobres. Acho que consegui me localizar entre todos os personagens e aproveitar melhor a leitura.

Essa semana também fui assistir ao novo Star Wars, amando BB8, quando vão lançar droides domésticos? Quero! E nesta semana, volto à rotina semi-normal, volto ao trabalho (tchau, férias!), mas continuo em férias da faculdade. 


E você? Tem lido o que? Deixe nos comentários!
Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro