Pular para o conteúdo principal

Resenha | Luxo - Anna Godbersen

The Luxe #1
Editora: Rocco
Páginas: 400
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2007 com o título de The Luxe


Todo o fascínio da Nova York da virada do século XIX para o XX, quando Manhattan começava a se transformar no coração do mundo, a Quinta Avenida abrigava as mansões de algumas poucas e abastadas famílias e os jovens da alta sociedade se exibiam em fabulosos vestidos e elegantes fraques em animados bailes madrugada adentro, está em Luxo, primeiro volume da série The Luxe, da norte-americana Anna Godbersen, que chega às livrarias brasileiras pela Rocco Jovens Leitores. Espécie de “Gossip Girls de época”, a série ganhou o aval de Cecily Von Ziegesar, autora da série sobre as patricinhas de Nova York. “Quando comecei a ler Luxo, não consegui parar mais”, diz. E as leitoras brasileiras hão de concordar, afinal, o livro prende a atenção da primeira à última linha, com uma trama cheia de glamour, intrigas e romance, embalada por uma deliciosa reconstituição histórica.
Luxo conta a história das irmãs Elizabeth e Diana Holland, filhas da alta sociedade nova-iorquina, levando uma vida de luxo e sonhos, mas cercada de intriga, inveja, escândalos, paixões proibidas, interesses e desilusões; um mundo de aparências onde não cumprir as regras sociais pode levar ao ostracismo e seguir o coração pode custar ainda mais caro. Pelo menos, é isso que Elizabeth Holland pensa quando decide se casar com o charmoso Henry Schoonmaker, o solteiro mais cobiçado de Nova York, num típico arranjo familiar. Diana, no entanto, não está tão interessada em obedecer às hipócritas regras da vida social quanto sua irmã mais velha. Assim como a traiçoeira Penelope Hayes, que não pretende deixar barato o casamento do rapaz mais interessante da cidade.
Cruzando os caminhos desses quatro adolescentes que vivem com os hormônios em ebulição, frequentam os melhores salões de Manhattan e têm suas vidas retratadas diariamente nas colunas sociais, estão Will, o jovem cocheiro da família Holland, e Lina Broud, uma criada disposta a tudo para mudar de vida e que guarda um segredo sobre Elizabeth capaz de chocar até mesmo as moças mais liberais da cidade.
Com uma narrativa envolvente e uma prosa tão elegante e irônica quanto cada ato de seus personagens, Anna Godbersen conduz o leitor até um final surpreendente. E em meio a esta trama repleta de romance, dissimulação e pitadas de mistério, reconstrói costumes e cenários com maestria, traçando um rico painel da juventude nova-iorquina da virada do século passado. Um luxo!



Essa é uma série de romances históricos. Seu diferencial, se passa em Nova York! Não me recordo de ter lido outro romance histórico que se passasse na ilha, geralmente são locados na Europa (Inglaterra e Escócia, sendo meus preferidos) ou, se nos EUA, no Texas (dos que eu li, claro).

E o livro já começa bombástico. Já nas primeiras páginas descobrimos que uma das irmãs morre tragicamente. A partir daí, a história é contada do futuro, relembrando os acontecimentos.

Tendo vários personagens principais e perspectivas, o livro vai te mostrando aos poucos quem é quem, ou quem é a mais víbora. Eu gosto bastante quando os livros dão contexto a vários personagens, além dos principais, e é o que acontece aqui. 

Sobre ser "a Gossip Girl de época", é, não vamos exagerar. O livro é recheado de escândalos, condutas duvidosas e personagens intrigueiras, porém, está longe de ser comparável a série de TV (não digo os livros, porque li até o quarto, aliás, atípico caso em que a adaptação se torna melhor que o original).

Ah, e se for para comparar: o livro traz uma visão da alta classe, mas também acompanha a criadagem, estilo Downton Abbey de ser. E não me tirem de contexto, são semelhantes somente nisso haha

Andei lendo críticas sobre os "escândalos" trazidos pelo livro, que seriam "leves" e "não empolgantes". Poxa, o livro é de época. O que acontece nele é o maior bafáfá épico possível. Sem entrar em detalhes, relacionamentos proibidos, tramas de vingança e dramas românticos são, não só o objeto do livro, como também grandes "pecados" para a época retratada. Nós não somos uma sociedade tão evoluída assim a ponto de esquecer essas raízes machistas.

Eu gostei muito da leitura, tive aquela ânsia por continuar lendo. A escrita não tem nada de especial, mas o desenvolvimento das histórias é muito completo. Além disso, a capa é linda, né? A coleção inteira tem capas nesse estilo, ainda não escolhi minha preferida.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…