Pular para o conteúdo principal

Resenha | Os Segredos de Colin Bridgerton - Julia Quinn


Os Bridgerton #4
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2002 com o título de Romancing Mister Bridgerton

Os Segredos de Colin Bridgerton - Há muitos anos Penelope Featherington frequenta a casa dos Bridgertons. E há muitos anos alimenta uma paixão secreta por Colin, irmão de sua melhor amiga e um dos solteiros mais encantadores e arredios de Londres.Quando ele retorna de uma de suas longas viagens ao exterior, Penelope descobre seu maior segredo por acaso e chega à conclusão de que tudo o que pensava sobre seu objeto de desejo talvez não seja verdade.Ele, por sua vez, também tem uma surpresa: Penelope se transformou, de uma jovem sem graça ignorada por toda a alta sociedade, numa mulher dona de um senso de humor afiado e de uma beleza incomum.Ao deparar com tamanha mudança, Colin, que sempre a enxergara apenas como uma divertida companhia ocasional, começa a querer passar cada vez mais tempo a seu lado. Quando os dois trocam o primeiro beijo, ele não entende como nunca pôde ver o que sempre esteve bem à sua frente.No entanto, quando fica sabendo que ela guarda um segredo ainda maior que o seu, precisa decidir se Penelope é sua maior ameaça ou a promessa de um final feliz.


Veja as resenhas dos primeiros livros: O Duque e Eu, O Visconde que me Amava, Um Perfeito Cavalheiro.

O terceiro livro, Um Perfeito Cavalheiro, continua sendo meu preferido da série, mas este quarto volume tem seus méritos, grandes méritos.

Essa é a história de um casal fofo que deu para perceber que se formaria desde o segundo livro, mas ainda assim trouxe surpresas à história e muita fofura. Colin é o quarto irmão Bridgerton, e seguindo o formato dos outros, cada irmão busca se diferenciar do outro. Afinal, numa família com 8 filhos, perante a sociedade, todos acabam virando um só. Somente um outro Bridgerton.

Colin viaja bastante e escreve diários de viagem, e essa é uma coisinha que depois vai diferenciá-lo dos irmãos e dar um objetivo de vida para ele.

A mocinha do livro é a Penelope. Já conhecida desde o início da série, ela é a "irmã feia" das Featherington, a irmã que usa os vestidos da cor errada, parecendo uma fruta madura, aquela que demorou para perder "a gordurinha infantil". Ninguém nunca imaginaria que ela iria acabar com um Bridgerton...

Eu tenho algumas considerações a fazer sobre esse livro. Embora tenha gostado tanto quanto os outros, dei risadas e torci pelo casal, tem algumas coisinhas que merecem destaque. Nesse livro, um grande segredo é revelado, até me deixa curiosa para saber como a série vai seguir depois dessa bomba. Talvez por isso, um espaço que normalmente seria dedicado para o desenvolvimento dos personagens foi deslocado para esse segredo.

O romance ficou um pouquinho insta-love pro meu gosto. E tá certo, é uma amizade que evoluiu com o tempo, mas evoluiu rápido demais! A protagonista se pergunta como o mocinho pode gostar dela tão rápido e eu também! Não acreditei muito no romance deles...

Sendo esse o único pecado do livro, vale ressaltar que a série continua excelente. Divertidíssima! Já estou com o quinto livro em casa e pretendo ler logo. Aqui em casa todo mundo devora esses livrinhos quando eles chegam, eu, a mãe e a vó. Então, eles agradam uma ampla gama de idades e vivências hehe


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Oi Rafa,
    Sempre vejo mtos elogios as obras da Julia Quinn, e inclusive vejo mta gente comparando com os livros da Jane Austen, que é uma das minhas autoras preferidas, mas por algum motivo tenho uma certa resistência.
    Insta-love tbm me irrita. Simplesmente não dá para levar a sério...
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…