Pular para o conteúdo principal

Série | Dois Homens e Meio

Olá, tudo certo por aí?


                Hoje venho, novamente, trazer um apanhado geral de uma série que chegou ao seu final. E a escolhida da vez é Two and a Half Men, mas antes ficha técnica:


Título Original: Two and a Half Men
Produtor/Roteiro: Chuck Lorre 
Emissora: CBS (EUA) – Warner Channel (BRA)
Elenco: Charlie Sheen, John Cryer, Angus T-Jones, Ashton Kutcher, Conchata Ferrell e mais...
Gênero: Comédia.
Duração: 20 minutos (Cada episódio)
Enredo: Charlie Harper (Charlie Sheen) é um compositor de jingles solteirão bem de vida que vive numa casa na praia, tem um belo carro na garagem e grande facilidade de conquistar as mulheres. Seu estilo de vida casual em Malibu é interrompido quando seu irmão Alan (Jon Cryer), que está no meio de um divórcio, e seu sobrinho de 10 anos Jake (Angus T. Jones), chegam para morar com ele.




A decaída (ou não) jornada de Two and a Half Men

                Two and a Half Men, desde seu inicio sempre foi uma série que dividiu nações, tá ok, talvez não nações, mas dividiu bastante gente. Quem gostava, amava demais, e quem não gostava tinha um ódio bastante grande.
                A série com sua ideia simples onde um carinha divorciado se muda com seu filho para a casa do irmão boêmio, rico e mulherengo tinha tudo para dar certo, e até deu, por um tempo. Com seu humor simples e sem vergonha de mostrar essa simplicidade nas piadas, Two and a Half Men aguentou viva até não poder mais.
                Mas nem tudo foram flores na vida de Two and a Half Men, ta aí uma série que viveu com algumas polêmicas, talvez nem deva chamar de polêmicas, mas é sabido que os atores chamaram muito mais atenção algumas vezes do que a série em si.
                Estrelada por Charlie Sheen, vivendo o papel de Charlie Harper (ou dele mesmo), a série viveu suas temporadas douradas. Onde tudo era lindo e engraçado. Onde John Cryer sabia desempenhar seu papel de coadjuvante, e Angus T-Jones fazia muito bem o papel de garoto nem tão prodígio assim.
                Porém, fora das gravações, Charlie vivia seus problemas com álcool e drogas. E isso refletia diretamente em cada episódio, e parecia não ter fim. Os episódios não chegaram ao ponto de cair na questão de qualidade, mas era algo que podia se notar claramente na relação entre os atores.
                Por fim, a imagem de Charlie Sheen foi se desgastando junto com a série, em cada episódio das oito temporadas em que ele participou. E pra quem acompanhou, tanto a série quanto as noticias, sabia que a sua saída era obvia.
                 E então, em vez de um cancelamento da série, houve a troca de atores. Saia Sheen, entrava Ashton Kutcher. E por incrível que pareça isso renovou a série. Claro que muita gente parou de assistir por causa dessa saída, ou até pela escolha de ator para substituir. Mas é fato que Ashton Kutcher deu uma roupagem nova, uma cara nova, para a série e essa se aguentou por mais algumas temporadas. Claro que com alguns pontos de audiência a menos do que na sua época dourada, mas isso não reflete na qualidade da série, e sim na viuvez de “fãs”.
                Mas só a entrada de Kutcher pra série não foi o suficiente para ela se manter por mais alguns aninhos. John Cryer assumir o papel principal foi outro fator fundamental para isso. Até porque Walden (personagem de Kutcher) demorou um pouco para entrar no universo de Two and a Half Men.
                Outra saída obvia da série era do Jake (Angus T-Jones). Não só por motivos de uma religião estranha que o guri estava metido, mas também porque o gurizinho engraçadinho e meio burrinho havia crescido e perdido a sua “graça”. Sua saída da série foi gradual, certeza que você nem percebeu que ele saiu.
                Para seu ultimo episódio, saíram rumores da participação de Charlie Sheen, para um fim memorável. Bom, não querendo dar spoiler, o ultimo episódio (duplo) foi razoavelmente bom, com varias piadocas marotas, e fazendo jus ao seu humor simples.
                Enfim, Two and a Half Men foi uma série como tantas outras, teve suas temporadas douradas, mas acabou terminando medíocre, mesmo tendo  aguentando o desgaste de um ator descompromissado, e a troca de protagonistas. E confesso que sentirei saudade de uma série, como já disse várias vezes, de humor simples na minha grade.
                Não acredito ser necessário dar nota para as doze temporadas de Two and a Half Men

Bah: Eu não falei de vários personagens, eu sei

E você já assistiu Two and a Half Men? Gostou do final da série? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.
 Siga o blog no Google Friend Connect

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.