Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Caderno Rosa de Lori Lamby - Hilda Hilst

Editora: Globo
Páginas: 128
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado em 1990.


O livro, em grande parte escrito na forma de diário, apresenta uma menina de oito anos que vende seu corpo incentivada por seus pais proxenetas. A obra é, sim, obscena e põe em cheque a moralidade dos leitores, pois é quase impossível realizar uma leitura frígida dos relatos de Lori Lamby. Mas, apesar do impacto inicial causado pelo tema da pedofilia, o livro vai muito além. A própria literatura é alvo de obscenidades: gêneros intercalados, cartas, relatos, citações pervertidas de grandes autores como D. H. Lawrence, Henry Miller ou Georges Bataille e um Caderno negro dentro do Caderno rosa de Lori. Aquilo que, a princípio, aparece no texto como possíveis e singelos erros de escrita de uma criança recém-alfabetizada aponta para um estudo lexicológico, para uma etimologia das sensações fazendo soluçar a gramática."O Caderno Rosa de Lori Lamby" ainda guarda um segredo sobre o verdadeiro narrador da história. Apesar da obviedade do título sugerir que a pequena Lori Lamby é a narradora-personagem de seu caderno, é possível levantar dúvidas a esse respeito já que seu pai - gênio incompreendido - resolve escrever "bandalheiras" seguindo o conselho de seu editor.Neste ponto reside o aroma de crítica ao mercado editorial e a sua avidez por best-sellers e temas consagrados como a pornografia.

Tendo em mente a precisão da sinopse deste livro, vou tentar me ater mais as minhas impressões sobre o livro do que a sinopse do mesmo.

Até porque basicamente o livro é o diário de uma menina que é explorada sexualmente, vendida pelos pais e por sua própria vontade, e gosta disso.

O choque ao ler este livro é inevitável, assim como perpassar por alguns sentimentos como repulsa, aversão e desconfiança. Desde as primeiras páginas, o leitor é surpreendido pela boa-vontade da menina em agraciar amigos dos pais com favores sexuais, sem nos poupar dos detalhes sórdidos dessas relações.

Já aviso que não vai ser o tipo de livro que agrada a todos os leitores. Tem de se manter a mente aberta e apreciar a tentativa da autora em mostrar algo de diferente. Eu vi uma entrevista com a Hilda no YouTube em que ela falava, basicamente, que revolveu escrever este tipo de literatura para chocar mesmo. Disse que cansou de escrever "literatura cult" e não poder pagar as contas, por isso, chutou o balde e escreveu Lori Lamby. Não sei até que ponto acreditei na autora, também, é outro ponto a se discutir. Enfim, fica para os fãs da autora ou cada leitor decidir por si só.

Achei o livro muito, mas muito mais chocante que Lolita e de leitura mais prazerosa - se é que se pode usar essa palavra em referência a um livro que aborda pedofilia. Li em uma sentada, pro choque tomar forma de vez mesmo.

Sobre a polêmica de "quem é o narrador", que parece cercar o livro. Não sei se poderia acrescentar. Da mesma forma que até hoje não sei se a Capitu traiu o Bentinho ou não, não sei dizer se o narrador é a Lori ou o pai dela (chuto na Lori mesmo).

Enfim, é o tipo de livro que só deve ser lido se você realmente se interessou pelo fator choque da sinopse. Senão, pode ser que você deteste o livro.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.


Comentários

  1. Olá!

    Eu leria esse livro tranquilamente. Gosto desse tipo de história incomum, em que a protagonista nos surpreende...

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Leituras da Semana #42

Nessa semana tirei do caminho um calhamaço de 800 páginas, Outlander - A viajante do tempo. Que livro bom, envolvente, da categoria é grande, mas é rapidíssimo de ser lido.

Conta a história de Claire, que vive em 1945, salvo engano. Ela é casada, mas passou afastada do marido graças à guerra, quando serviu de enfermeira. Eles estão finalmente indo construir um lar quando, num monumento escocês, um agrupado de pedras bem estranho, ela volta no tempo e reaparece 200 anos antes, na época dos clãs escoceses.

Lá, ela é obrigada a construir uma nova vida, pelo menos até que consiga voltar para o seu próprio tempo. Só que ela acaba envolvida numa outra guerra, e suspeitam que ela seja uma espiã inglesa. Bom, aí a vida complica. Mas ao mesmo tempo, ela conhece Jamie ♥ e até que não fica tão difícil assim viver sem banhos quentes.

Gostei muito do livro, acho que ele é super abrangente em temáticas, tem diálogos interessantes e engraçados e por mais que seja longo, as páginas foram bem explorad…