Pular para o conteúdo principal

Assistidos de Janeiro/2016

Faz muito tempo que eu não comento sobre séries e filmes por aqui. E é uma coluna que eu quero retomar. Só algumas breves considerações sobre o que assisti em janeiro deste ano.


Comecei o ano não são só lendo Guerra e Paz, mas aproveitei para também assistir ao filme de 1956. Possivelmente, se eu tivesse visto antes de começar que o filme conta com 3h30 de duração, não teria assistido na sua totalidade em um dia...mas foi o que fiz, acompanhada da mãe e da vó.

Eu achei um filme bom, não maravilhoso, mas bom. Comparando com a obra original, ele fez um corte bastante preciso dos acontecimentos, entretanto, é claro que corta outras coisas e personagens que para quem leu o livro, fazem falta.


Entrei na vibe dos zumbis. Assim que terminei de assistir Guerra Mundial Z, corri para ver se já tinha a continuação - e não tem. Gostei muito do filme, embora ele não inove quando comparado com outras obras apocalípticas. 


Eu não sei se já comentei por aqui, mas eu já li A Menina que Roubava Livros e não gostei. Entretanto, como muita gente ama o livro, eu pretendo reler e ver se acho tão ruim quanto achei originalmente.

De qualquer forma, gostei bastante do filme. Gostei dos momentos de silêncio do filme, principalmente. Odeio aquelas trilhas sonoras apelativas, a imagem já fala por si só, como foi o caso deste filme.


Não poderia deixar de assistir ao episódio VII de Star Wars. Logo que terminaram minhas férias, voltei para casa e trouxe a mãe junto para assistirmos no cinema.

Eu me apaixonei pelo BB-8 e gostei bastante da Rey. Ah, e como eu não acompanho escalação de elencos, nem assisti aos trailers do novo filme nem nada do tipo, fiquei surpresa de ver o Adam, de Girls, fazendo o papel de Kylo-Ren. Deu uma saudade enorme de assistir Star Wars - o que já remediei em fevereiro.


Por fim, assisti Paper Towns. Que foi tão ruinzinho quanto o livro. Eu não sei porque não adaptaram Quem é você, Alasca? ao invés de Cidades de Papel. Gostei bastante da cena em que a Margo e o Quentin vão para aquele prédio alto e olham a cidade, vista linda.


Eu pensei por muito tempo em uma maneira melhor de dizer minha opinião a respeito da série, mas só o que eu consegui foi: é uma bosta.

A atriz que faz a Clary é péssima, o Jace é feio e desajeitado. A Isabelle é bem sexualizada. Só não vou reclamar do Alec porque ele é bonito. Há de se dizer também que o ator que faz o Simon está fazendo um ótimo trabalho, porque odeio ele tanto quanto o odiava nos livros.

Mas, como eu sou eu, vou continuar assistindo por enquanto. Se permanecer uma bosta, posso rever essa posição.


Não basta livro e filme. Tem série também! E com o ator de Skins e outro do The Musketeers (eu não sei nomes de atores, e sinceramente, não vou pesquisar)!

Assisti somente três episódios até o momento, mas gostando bastante. Adoro o Pierre e não resistiria ao Dolokhov! As produções da BBC são sempre ótimas e valem o tempo que duram.

Comentei somente essas duas séries porque de resto, só assisti às que eu já vinha assistindo, que estão em meio de temporada ou voltando em janeiro. Eu assisto a diversas séries e talvez faça um post a respeito mais para frente.

E você? O que tem assistido de bom?
Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…