Pular para o conteúdo principal

Filme | Godzilla (2014)

Olá, tudo certo por aí?

Que tal falar um pouco de monstros? Na verdade, filme de monstros. Pois bem, dessa vez escolhi comentar sobre Godzilla. Mas como sempre, antes, ficha técnica:

Título Original: Godzilla
Lançamento: 15 de Maio de 2014
Com: Bryan Cranston, Aaron Taylor Johnson, Elizabeth Olsen e mais
Dirigido por: Gareth Edwards
Duração: 123 minutos
Gênero: Ação, Aventura, Ficção-Científica, Drama.
Sinopse: Um épico renascimento para o icônico Godzilla da Toho, esta espetacular aventura coloca o monstro mais famoso do mundo contra criaturas malévolas que, sustentadas pela arrogância científica da humanidade, ameaçam nossa própria existência.




                Algumas décadas depois da primeira aparição desse lagarto gigante, lagartixa?! no cinema, Godzilla volta as grandes telas sobre o comando de um diretor jovem, Gareth Edwards. Pra iniciar já posso dizer que o jovem diretor se saiu muito melhor que o carinha que fez o Godzilla de 1998. Porém, ainda fiquei com aquela sensação que o lagartinho gigante poderia ser um pouco mais explorado, com mais cenas de ação e menos drama nos personagens humanos, afinal de contas se o filme se chama Godzilla, a gente quer ver o maldito Godzilla detonando tudo.
                No inicio do filme (créditos iniciais) o filme faz uma maravilhosa referencia a primeira aparição do monstro nos cinemas (1954). Essa referencia aparece através de imagens em que vemos relatos da aparição de um estranho monstro. Logo depois, e alguns anos também, nos deparamos com um casal que trabalha em uma usina nuclear no Japão (Aah o Japão), o casal é Walter White Bryan Cranston e Juliette Binoche. Depois disso, ocorre um misterioso “acidente” e a usina acaba sendo fechada e todo seu entorno é transformado em área de quarentena.
                Então somos jogados uns 15 anos pra frente, com o personagem de Cranston ainda buscando informações sobre o ocorrido e colocando seu filho no meio da confusão toda. Em pouco tempo eles descobrem a razão do acidente: a presença de um monstro que se alimenta de radioatividade. O filho do Cranston então militar norte-americano passa a ajudar no combate da criatura, que não está sozinha.
                Por um lado o filme desperta o interesse de investir mais no drama do que na ação, mas por outro peca ao não conseguir fazer deste drama algo mais profundo. O excesso de personagens torna a trama chata, previsível e entediante.
                Sendo assim, só resta a nós esperarmos pela ação, que são boas, até certo ponto, pois também são nada originais. Cenas essas que ocorrem a noite, no escuro o que prejudica um pouco a qualidade visual do filme.
                Se o roteiro tem alguns probleminhas, pelo menos compensa na sua parte técnica. A trilha sonora, é bastante discreta, mas também incrível. A mixagem dos sons das criaturas com os gritos das pessoas nas ruas é sensacional. Já na parte da fotografia, também merece elogios, o filme apresenta uma câmera “amadora”, por vezes inquieta dá um Q a mais ao filme.
                Godzilla trata-se de um filme repleto de pequenos e grandes probleminhas, mas possui bons protagonistas, e que Graças a Deus consegue animar em sua conclusão, o que é sempre bom, pois aumenta a expectativa para uma continuação.

                Por fim, como sempre, minha notinha sobre o filme:
 3 estrelas.


E você, já assistiu Godzilla? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever