Pular para o conteúdo principal

Filme | Mesmo Se Nada Der Certo

Olá, tudo certo por ai?

                Então, dessa vez vamos de comédia romântica, com uma boa dose de música. Mas antes, como sempre, fichinha técnica:

Título Original: Begin Again
Lançamento: 18 de Setembro de 2014
Com: Mark Ruffalo, Keira Knightley, Adam Levine, CeeLo Green e mais
Dirigido por: John Carney
Duração: 104 minutos
Gênero: Comédia, Drama e Música.
Sinopse: Uma cantora (Keira Knightley) se muda para Nova Iorque, mas logo após chegar no local, seu namorado americano decide terminar o relacionamento. Em plena crise, ela começa a cantar em bares, até ser descoberta por um produtor de discos (Mark Ruffalo), certo de que ela pode se tornar uma estrela.





                Nesta comédia romântica que por vezes não é comédia, muito menos romântica. Todos os personagens centrais são perdedores: Dan é um produtor musical falido e pai divorciado, Gretta levou um fora do namorado, Steve é um talentoso musico que vive de tocar e ganhar moedas na rua, Violet filha de Dan é uma adolescente pouco popular e ignorada pelos guris da escola, e sua mãe, Miriam apostou tudo em uma paixão fugaz que não vingou. Mas ao contrário das grandes comédias românticas, a ideia do filme não é fazer com que seus personagens se tornem famosos, ricos e vencedores, mas sim garantir que encontrem satisfação na vida que tem.
                As situações do filme são bastante especificas, e o roteiro sabe trabalhar com o seu grupo de artistas idealistas. São indivíduos politizados, defensores de utopias sociais, do tipo que dificilmente frequente uma comédia romântica. Mas o diretor, e roteirista e todo mundo tem uma grande ternura por esses sonhadores, e em momento algum os trata como ingênuos.
                Uma prova disso tudo, é a beleza da cena inicial, contata de três maneiras diferentes: a primeira vez, pelos olhos externos do publico, ainda com pouco contexto, depois pelo ponto de vista de Dan, e pra finalizar pelos olhos de Gretta. Só desse modo, o espectador pode reler o momento do bar de maneira completa, como um encontro tão improvável quanto essencial na vida desses personagens. Mais uma vez, nada de heroísmo das comedias românticas, apenas o fruto de um acaso.
                A estrutura do filme pode horas tender ao romance e ao melodrama, mas consegue sabiamente andar na linha e evitar esses dois caminhos. Não, ninguém vai aprender a ser uma pessoa melhor, e não, ninguém vai se tornar milionário e reconhecido como o melhor, bom nem todos vão ficar milionários. A evolução dos personagens são mínimas, e internas, e é nisso que nasce o valor de Mesmo Se Nada Der Certo.
                Tamanha proximidade dos personagens se traduz em ótimas atuações e ótimas cenas, os atores parecem estar de fato se divertindo muito juntos. As cenas com Dan e Gretta são sensacionais, bem feitas e de certo modo emocionantes.
                A trama torna-se um pouco mais corajosa por defender uma postura contraria ao sistema, aos artistas que vendem somente por dinheiro e fama. O carinha do Marron 5, Adam Lavine, faz uma participação bem interessante, seu personagem é quase uma caricatura de si mesmo, se é que não é. Um homem que troca a boa musica, pelo sucesso massivo com canções pop, feitas pra vender. O filme critica sabiamente esse tipo de artista, com suas futilidades e ganancia, preferindo sempre a integridade de Gretta e Dan.
                John Carney acerta mais uma vez ao filmar a música. Ele consegue construir uma série de baladas que representam com perfeição a vida de seus personagens. O filme por sua vez, é fantástico e adorável, seus personagens são muito mais complexos do que a maioria dos mocinhos e mocinhas de comédias românticas ou dramáticas.
                Mesmo Se Nada Der Certo, é um desses filmes raros de hoje em dia, que ousa e consegue tratar seus personagens como gente de carne e osso.
                E pra finalizar, minha notinha:

✬ 4 Estrelas

E você, já assistiu Mesmo Se Nada Der Certo? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário...

Comentários

  1. Oie, tudo bom?
    Eu não conhecia esse filme, mas parece aquelas comédias românticas que te fazem pensar um pouco também. Além disso, eu adoro o ator Mark Ruffalo que sempre faz ótimos trabalhos. Sem falar na música que faz parte da história.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever