Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Duque e Eu - Julia Quinn

Os Bridgerton #1
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2000 com o título de The Duke and I

Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo.
Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.

Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Faz um bom tempo que eu queria começar a ler essa série. A autora é divulgada como a Jane Austen da nossa geração e mesmo não gostando de comparações, as duas tem semelhanças.

A família Bridgerton é composta por 8 filhos, todos nomeados alfabeticamente, primeiro filho tem o nome com a letra A, segundo filho B e assim por diante. Daphne é a quarta filha, obviamente, e está na sua segunda temporada, o que já não pega muito bem nessa sociedade e para completar, só atrai homens mais velhos ou desinteressantes.

Num baile, Daphne e Simon se conhecem, graças a uma situação um pouco vexatória com um dos pretendentes de Daphne. E aí, o romance se desenrola como na sinopse.

Essa série promete ser multifacetada, não só pelos seus múltiplos personagens, mas também por outros pequenos detalhes. Como a coluna de fofocas Whistledown. Quase como uma precursora de Gossip Girl, uma colunista começa a postar fofocas sobre a elite da sociedade. Quem está envolvido com quem, quem levou um fora e qual mãe está mais desesperada para casar as filhas.

Os diálogos trazem um diferencial nesse livro. Nada de diálogos de romance de banca, são engraçados e perspicazes. As semelhanças com Jane Austen ficam por conta do cenário londrinho e das personagens femininas fortes. 

Não consigo escolher meu preferido dos irmãos Bridgerton ainda, Anthony ou Colin, que foram os dois mais destacados do primeiro livro. 

O casal principal passa por poucas e boas antes de conseguir seu felizes para sempre. Eles tem bastante química e tem algumas cenas mais quentes, porém não muito. O livro trata bastante sobre o passado de Simon e seu relacionamento com o pai, aprofundando um pouco o personagem.


Eu espero, sinceramente, que o casal volte a aparecer nos próximos livros. Um romance muito gostoso de ser lido, com gostinho de Jane Austen. Próprio para aqueles dias que você precisa de um romance na vida.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Li O duque e eu depois de tantos comentários positivos so re a série!
    Não me decepcionou.. Foi extremaente divertido e adorei os irmaos da Daphne..
    Quero muito ler o restante da série mas vou ter aue aguardar no fim do ano pra poder comprar..
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me apaixonei, já li o segundo e ontem chegou o terceiro hehe
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever