Pular para o conteúdo principal

Resenha | Impecáveis - Sara Shepard

Pretty Little Liars #2
Editora: Rocco
Páginas: 336
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2006 com o título de Flawless


Spencer roubou o namorado de sua irmã. Aria ficou com o coração partido em relação ao seu professor de Inglês. Emily começou a gostar de sua nova amiga Maya. . . tanto quanto de seu amigo. A obsessão de Hanna pela aparência impecável está lhe fazendo mal. E seu segredos mais terríveis ainda é tão escandaloso que a verdade iria arruina-las para sempre.



Essa série é meu guilty pleasure, é bastante fútil, mas é divertida.  Não é o tipo de história que permanece na cabeça depois de lido, é fácil esquecer os detalhes. 

Esse livro começa contando o que aconteceu com a Jenna e a história se desenrola daí. Elas continuam distantes, sem retomar a amizade antiga até uma festa.

Li este livro bastante tempo depois de ler o primeiro e a autora fez um ótimo trabalho em nos lembrar em que pé a história está e continuar a história.

Eu gosto bastante da Aria, com seus tricôs, livros de filosofia e estilo alternativo. Acho que me identifico mais, mas todas as protagonistas vão evoluindo em questão de personalidade. Esses livros contam um período de tempo muito curto, mas acredito que como a série é grande, elas vão ser exploradas no seu potencial.

A teia de mentiras criada vai crescendo e os mistérios continuam. Quem é "A"? Será Toby que reapareceu depois de ter levado a culpa pelo que aconteceu com a Jenna? Como "A" sabe de tudo?

Vocês sabem que eu acompanho a série de TV que está adaptando os livros. O final do livro é bem diferente do rumo que a série seguiu, o que me manteve curiosa para seguir lendo os livros, mas tenho que dizer que prefiro a série de TV aos livros. 

Na TV as coisas tomam um rumo muito mais sombrio, mais misterioso e violento. Enquanto nos livros, creio que sejam mais leves e coloridos como suas capas. Esse livro me pareceu capítulos do meio da novela, sabe? Sem acrescentar muita coisa...até o seu final, que foi surpreendente e me deixou curiosa.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro