Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Fim do Poder - Moisés Naím

Editora: Leya
Páginas: 392
Estrelas: ✬✬✬
Publicado em 2013.

O mundo vem passando por uma série de transformações. Potências hegemônicas como os Estados Unidos têm de lidar com cada vez mais limitações em sua atuação, e as grandes companhias agora enfrentam a crescente ameaça dos pequenos empreendimentos. O poder, na política ou nos negócios, está se tornando mais fragmentado. Ao longo de 'O fim do poder', o escritor Moisés Naím discute as mudanças pelas quais o mundo vem passando desde meados do século XX e procura explicar por que o poder é hoje tão transitório - e tão difícil de manter e usar -, examinando o papel das novas tecnologias e identificando as forças que estão por trás dessas transformações. Não se trata do fim das grandes corporações ou do conceito de 'potência hegemônica', mas sim de um fenômeno mais complexo, no qual todos nós estamos envolvidos, e que está instaurando um paradigma inédito na história da humanidade.



Conheci este livro através do projeto do Mark Zuckerberg, criador do Facebook, A Year of Books. Este foi o primeiro escolhido para leitura e eu acompanhei.

Trata-se de um livro de não-ficção que explora as facetas do poder. Apesar do título, o autor não prevê o fim do poder, ele fala sobre a fragmentação que o poder vem experimentando com a globalização.

Ele fala que, com a globalização e a Internet, os que antigamente seriam considerados poderosos, ainda o são, porém, o que conseguem através desse poder é limitado, é menos do que conseguiriam algum tempo atrás.

Ao longo do livro, ele vai explorando essa temática com política internacional, política interna, grandes empresas, religião, exército ou relações mais pessoais.

Embora o tema seja interessante, não foi uma leitura muito prazerosa. Se torna repetitiva por vezes. Entretanto, é bastante preciso no que escreve. As mudanças que ele notou podem ser notadas por todos nós. Nem precisamos pensar muito para notar exemplos no cotidiano, como a Primavera Árabe e sua organização via internet, que causou uma "tendência" que pegou e não se passa um dia sem que chegue um convite para algum protesto via facebook.

Ele divide três revoluções que estão em movimento. O "mais", com mais vozes para serem ouvidas, onde antes havia menos. A "mobilidade", que ocorre com a expansão de ideias e informações, numa velocidade fantástica, graças a internet. E a "mentalidade" que com a soma das duas anteriores, nos torna pessoas com ideais mais libertadores, com pensamento próprio.

Quanto a esta última, eu tenho minhas dúvidas - me parece que com cada vez mais informação e frenesi por atenção o tempo inteiro, há menos espaço para pensamento próprio, viramos um "copia-cola-compartilha". 

O livro é interessante e traz vários tópicos para discussão. Até pelo gabarito do autor, vale a pena ler.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever