Pular para o conteúdo principal

Resenha | Primo Basílio - Eça de Queirós


Editora: BestBolso
Páginas: 490
Estrelas: ✬✬✬
Publicado originalmente em 1878.


Primeiro grande êxito literário de Eça de Queirós, este romance é marcado por uma análise minuciosa da sociedade de seu tempo. O autor usou da ironia, da linguagem coloquial e direta e, principalmente, do olhar atento sobre o cotidiano para revelar a intimidade da vida burguesa. Luísa é casada com Jorge e leva uma vidinha tão segura quanto entediada. O sonho, o romantismo e o desejo são despertados pela chegada do primo Basílio a Lisboa. Ao optar pelo adultério como tema central, a intenção do autor era provocar a discussão. Eça é o grande mestre do romance português moderno e certamente o mais popular entre os escritores do século XIX em Portugal e no Brasil.

Li este livro por recomendação da minha mãe. Não lembro exatamente o contexto que foi a indicação, mas li e não gostei tanto assim.

Ouvi falar que é plágio de Madame Bovary, mas como não li este, não posso comparar. Mas as histórias são similares, afinal, trata-se de uma protagonista que em meio a sua vida pacata acaba "caindo em tentação" e vive uma aventura com seu primo Basílio.

O mais engraçado é perceber que a reação das pessoas é a mesma de hoje em dia, mesmo o livro tendo sido escrito em 1878. Há um núcleo de personagens que acabam se metendo na situação, um comparsa do marido que defende a honra da moça, mas que também acha indecentes as visitas recorrentes de Basílio, Juliana, a empregada que tenta extorquir Luísa por causa de umas cartas roubadas, ou um oportunista que explora a situação também de uma maneira deplorável.

Também, acompanhamos o definhamento de Luísa com a culpa. Antes uma boa esposa, que gostava de receber visitas, depois uma mulher que não consegue sair da cama, se esvaindo aos poucos.

Acho que o meu maior problema com o livro foi que li numa edição no kindle que era escrita em português de Portugal. Então, se em português arcaico já é difícil, imagina português de Portugal arcaico. Acho que perdi muita coisa em gírias.

É um daqueles livros que requerem um pouco mais do leitor. Não é uma leitura rápida, entretanto, é um ótimo retrato da época e, além disso, um ótimo reflexo da sociedade atual para com a temática de adultério.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever