Pular para o conteúdo principal

Resenha | Eleanor & Park - Rainbow Rowell

Editora: Novo Século
Páginas: 328
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2012 com o título de Eleanor & Park


Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.


Eu já li Fangirl da mesma autora e tinha me decepcionado um pouco, então, fui reticente para a leitura de Eleanor & Park. Entretanto, nem precisava ter tido cuidado, eu adorei a história desse casal de adolescentes.

O livro se passa na década de 80, com direito a discman e tudo - essas coisas me deixam nostálgica, eu tinha um discman na infância. E a narrativa se divide em capítulos da Eleanor e capítulos do Park e uma das coisas que eu mais gostei é que não é uma divisão muito certinha, as vezes uma mesma cena vai sendo narrada pelos dois, então você tem os pensamentos dos dois sobre aquela mesma situação. Acho que em parte é por isso que o livro é tão apaixonante.

Então, ambos se conhecem quando pegam o mesmo ônibus para a escola. Eleanor senta ao lado de Park e Park nota que ela fica espichando o olho para ler junto com ele os quadrinhos que ele traz para ler no caminho. Tudo vai acontecendo devagarinho e conquistando o leitor.

Depois, o relacionamento deles vai evoluindo, eles vão compartilhando coisas sobre sua situação em casa. Tudo muito suave, muito bem dosado. E culmina num final desesperador - isso não necessariamente significa desgraça, ok? Mas é um final que choca.

Eleanor tem uma vida em casa bastante conturbada, ela precisa escapar daquela situação de qualquer forma. É uma situação parecida com a que acontece em Proibido, da Thabita Suzuma, com relacionamentos abusivos. Então, existe um contraste entre o amor puro do casal e o amor viciado com a família.

A graça do livro não é nenhuma novidade, mas ele tem o gosto de amor adolescente, de simplicidade, de realidade. Como eu falei antes, a construção das cenas e perspectivas, um ajudando ao outro, a vagarosidade dos acontecimentos, tudo vai dando uma impressão bastante real para a leitura. É aquele livro que você quer ter em mãos quando está se sentindo sentimental, nostálgico ou precisando de uma dose de amor na vida.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever