Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #8 | O Médico e o Monstro - Robert Louis Stevenson

Editora: Martin Claret
Páginas: 536
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1886 com o título de The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde

As suspeitas começaram quando Mr. Utterson, um circunspecto advogado londrino, leu o testamento de seu velho amigo Henry Jekyll. Qual era a relação entre o respeitável Dr. Jekyll e o diabólico Edward Hyde? Quem matou Sir Danvers, o ilustre membro do parlamento londrino?
Assim começa uma das mais célebres histórias de horror da literatura mundial. A história assustadora do infernal alter ego do Dr. Jekyll e da busca através das ruas escuras de Londres que culmina numa terrível revelação.
O escocês Robert Louis Stevenson é considerado um dos maiores escritores da literatura mundial. Inexcedível no gênero de romances de aventuras, é autor de A ilha do tesouro, um dos livros mais célebres de todos os tempos (1883). O médico e o monstro é um clássico entre os clássicos de horror e mistério. Stevenson escreveu ainda O raptado, As aventuras de David Balfour, O morgado de Ballantrae, entre outros.


Eu li esse livro meio no improviso por ter esquecido de pegar meu kindle para viajar. Numa passada da livraria da rodoviária, dei de cara com essa edição que já tinha chamado minha atenção em outras livrarias. Resolvi comprar e ler.

Li esse livro num dia extremamente "de terror". Chuva açoitando a janela, um frio acentuado e aquela escuridão característica de dias chuvosos. 

A sinopse faz um ótimo apanhado da história, que é um mistério acerca do Mr. Hyde. Ele é contado da perspectiva do Mr. Utterson, advogado e grande amigo do Dr. Jekyll que inclui o misterioso Mr. Hyde em seu testamento, para suas propriedades serem herdadas em caso de sua morte ou desaparecimento.

Mr. Utterson acha estranha a colocação de palavras. Como assim desaparecimento? Ainda mais tendo ouvido uma história muito suspeita sobre o tal Mr. Hyde, quando ele teria maltratado uma criança. Para complicar a situação, acontece um assassinato.

Eu acredito que o terror dele se dê da mesma maneira que o terror em O Retrato de Dorian Gray, um terror mais sutil e psicológico. Daqueles que tu tens de te colocar na situação do personagem para entender os horrores do que aconteceu.

Não posso deixar de comentar que eu gostaria que esse livro tivesse algumas páginas a mais. Se o autor se estendesse um pouco mais sobre as depravações do personagem, se prolongasse o mistério por mais alguns parágrafos, se desse um gostinho maior da história. Eu prefiro romances do que contos, vocês sabem, e esse livro é pouco maior que um conto.

Creio que vale a leitura para os amantes do terror, para quem gostou de Dorian Gray e se interessa por livros mais voltados para o psicológico. Não espere sustos, mas pode aguardar por aquela angústia, ânsia de descobrir o que está acontecendo.

Vale um comentário sobre essa edição. O livro ocupa umas 60/70 páginas dela, sendo o mais curtinho. Ela tem páginas amareladas e uma diagramação pequena, porém, confortável. É leve para um livro de 500 páginas, proporciona uma leitura gostosa até com uma mão.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Estou bastante interessada em ler esse livro! Acabei de ver uma resenha da tatiana feltrin e acho que vou gostar de ler.. Me espantei com a quantidade de páginas...
    Infelizmente não vai dar pra ler agora..
    Vou aguardar sua resenha dos oitros livros..
    To com frankestein aqui e só falta tomar vergonha na cara!
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, não se assuste com as páginas. Ele é super curtinho, só essa minha edição que traz o Frankenstein e o Drácula que ficou gordinha hehe
      Bjs!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…