Pular para o conteúdo principal

Resenha | Garota, Interrompida - Susanna Kaysen

Editora: Única
Páginas: 190
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1993 com o título de Girl, Interrupted

Quando a realidade torna-se brutal demais para uma garota de 18 anos, ela é hospitalizada. O ano é 1967 e a realidade é brutal para muitas pessoas. Mesmo assim poucas são consideradas loucas e trancadas por se recusarem a seguir padrões e encarar a realidade. Susanna Keysen era uma delas. Sua lucidez e percepção do mundo à sua volta era logo que seus pais, amigos e professores não entendiam. E sua vida transformou-se ao colocar os pés pela primeira vez no hospital psiquiátrico McLean, onde, nos dois anos seguintes, Susanna precisou encontrar um novo foco, uma nova interpretação de mundo, um contato com ela mesma. Corpo e mente, em processo de busca, trancada com outras garotas de sua idade. Garotas marcadas pela sociedade, excluídas, consideradas insanas, doentes e descartadas logo no início da vida adulta. Polly, Georgina, Daisy e Lisa. Estão todas ali. O que é sanidade? Garotas interrompidas.



Uma jovem deprimida é internada numa instituição com pensamentos de suicídio. Desde que eu li, não sabia o que dizer sobre ele. Imagino que reação ele causou em seus leitores nos anos 90, será que o mesmo de um leitor de hoje?

"Na verdade, eu só queria matar uma parte de mim: a parte que queria se matar, que me arrastava para o dilema do suicídio e transformava cada janela, cada utensílio de cozinha e cada estação de metrô no ensaio de uma tragédia."

Susanna, Polly, Lisa, Georgina... todas garotas que se encontravam nesse sanatório na busca de tratamento. Desde a depressão de Susanna até a psicopatia de Lisa. Embora o livro seja um romance autobiográfico, as outras garotas ganham bastante destaque ao longo do livro.

Elas constróem seu mundo paralelo dentro dos limites do hospital. Mas o livro não é contado de forma linear, ele volta ao passado e busca nele respostas para os problemas de hoje. Não sei se, talvez, se classificaria como uma escrita em fluxo de consciência, mas acredito que sim.

Lembra bastante The Bell Jar, lá a protagonista também não notava os sintomas de "loucura" que lhe ocorriam. A história narrada pela Susanna em contraste com os prontuários médicos deixam isso claro, ela não percebia que estava com problemas, mesmo estando num sanatório.

O livro é escrito em capítulos curtos e é intercalado com prontuários médicos e relatórios. Conta com uma leve crítica aos rótulos, que ainda é um comentário válido para hoje. É triste e bonito ao mesmo tempo acompanhar esse tipo de jornada.

Eu assisti o filme depois de ler o livro e gostei. Acho que foi uma adaptação bastante fiel com dois grandes poréns. O filme é mais linear do que o livro, a história vem mais mastigadinha. E o papel da Lisa, feito pela Angelina Jolie, tem muito mais importância no filme que no livro. Recomendo ambas as obras!

E você? Já leu? Assistiu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever