Pular para o conteúdo principal

Resenha | Fahrenheit 451 - Ray Bradbury


Editora: Globo
Páginas: 256
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 1953.

"- A escolaridade é abreviada, a disciplina relaxada, as filosofias, as histórias e as línguas são abolidas, gramática e ortografia pouco a pouco negligenciadas, e, por fim, quase totalmente ignoradas. A vida é imediata, o emprego é que conta, o prazer está por toda parte depois do trabalho. Por que aprender alguma coisa além de apertar botões, acionar interruptores, ajustar parafusos e porcas?"

Eu não conhecia este livro até encontrar os canais literários no YouTube e ver o quanto ele fazia e faz sucesso. Logo, vi vários vídeos de depois comentando sobre ele e decidi, tenho de lê-lo. Assim, cumpri minha promessa para mim mesma.

Quando iniciei a leitura, fiquei um pouco decepcionada. Achei as primeiras páginas do livro um pouco devagares e me vi pensando - é só isso? Mas depois de alguns capítulos, a impressão passou e eu pude entender o porquê de tanto apreço por este livro.

Trata-se, como é sabido, de um livro distópico, onde os bombeiros, ao invés de apagar incêndios, são os encarregados de encontrar e colocar fogo em livros. Como uma leitora apaixonada e voraz, isso é simplesmente um absurdo! Eu não gosto nem de fazer "orelhas de burro" nos livros, que dirá tacar fogo nos meus queridos.

Montague vive meio alheio às coisas, ou assim parece, até que começa a conversar com uma vizinha que tem uma conversa estranha. Quando ele começa a se questionar e refletir sobre as coisas, porque são como são e se ele está feliz com o seu trabalho. Toda essa reflexão culmina com ele roubando um livro de uma pilha para queimar e aí a história vira.

Eu esperava que o livro tivesse mais ação do que ele realmente tem, entretanto, isso é compensado pela beleza das ideias postas no livro. Na simplicidade que o autor explica que não, não houve uma imposição do governo para que as coisas se tornassem assim, foi um clamor popular. As pessoas não mais queriam viver nesse mundo de tristeza e melancolia que os livros traziam. Para que pensar? O importante é se divertir. Fantástico.

Uma das cenas mais marcantes para mim é quando Montague, em um trabalho, encontra uma mulher que não quer sair da casa para que eles possam colocar fogo nos livros. Ela mesma joga o acelerante por cima de si e dos livros e acende o fogo. Cena dolorosa e triste, mas acho que foi ali a virada do livro.

É claro que ele não fica passivo com tudo isso, uma vez que ele começa a pensar, Montague tem de fazer alguma coisa. Mas isso, eu vou deixar para que vocês leiam por si. Ah, e aviso, eu tive dois cortes de papel com essa leitura, creio que me emocionei demais na virada de páginas haha

Então, é um livro ótimo. Não desbancou 1984 das minhas distopias clássicas preferidas, mas quase. O que eu mais gosto e o que mais me assusta nas distopias clássicas é exatamente a plausibilidade dos mundos criados. É possível que isso venha a acontecer conosco. Assustador, não?


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever