Pular para o conteúdo principal

Resenha | Anexos - Rainbow Rowell

Editora: Novo Século
Páginas: 368
Estrelas: ✬✬✬
Publicado em 2011.


Beth Fremont e Jennifer Scribner-Snyder sabem que alguém está monitorando seus e-mails de trabalho. (Todo mundo na redação sabe. É política da empresa.) Mas elas não conseguem levar isso tão a sério, e continuam trocando e-mails intermináveis e infinitamente hilariantes, discutindo cada aspecto de suas vidas.Enquanto isso, Lincoln O'Neill não consegue acreditar que este é agora o seu trabalho ler os e-mails de outras pessoas. Quando ele se candidatou para ser agente de segurança da internet, se imaginou construindo firewalls e desmascarando hackers e não escrevendo um relatório toda vez que uma mensagem esportiva vinha acompanhada de uma piada suja. Quando Lincoln se depara com as mensagens de Beth e Jennifer, ele sabe que deveria denunciá-las. Mas ele não consegue deixar de se divertir e se cativar por suas histórias. No momento em que Lincoln percebe que está se apaixonando por Beth, é tarde demais para se apresentar. Afinal, o que ele diria...?


Estou dividida com os livros da Rainbow Rowell, já li e comentei por aqui sobre Fangirl e Eleanor & Park. Fangirl, foi meio decepcionante, esperava gostar mais. E Eleanor & Park, me deixou sem chão, adorei. Já Anexos ficou devendo também. 

O livro intercala entre e-mails trocados por Beth e Jennifer, ambas são jornalistas e super amigas; e Lincoln, que é contratado pelo jornal para monitorar os e-mails dos funcionários. Estamos na década de 80/90, ninguém pensava ainda em privacidade on-line, creio.

Lincoln deveria ler os e-mails marcados como com conteúdo impróprio para o trabalho e advertir os funcionários de que esse tipo de conversa não era permitido no jornal. Entretanto, acaba envolvido com as histórias de Beth e de Jennifer, e não só não as adverte, como lê todas as conversas que elas trocam - acompanha as duas como quem acompanha novela.

Aos poucos, ele se apaixona por uma das moças. Só que uma é casada e a outra está em um relacionamento tem 9 anos. Também, o Lincoln não sabe muito o que quer da vida, ainda mora com a mãe e não sabe que rumo tomar.

Bom, o aspecto do romance até que é fofinho. Ele se apaixonar por alguém que nunca viu, tornar-se protetor das moças e no meio disso tudo tentar dar um jeito na sua situação.

Porém, o livro "leu" como um young adult enquanto "vendeu" como livro adulto. Explico, teoricamente, trata-se de um livro adulto, tanto pela idade dos personagens, quanto pela temática de trabalho. Entretanto, os personagens tem atitudes de adolescentes, o romance foi totalmente fora da realidade adulta, e, embora fofo, não convenceu.

Por enquanto, o placar está 2x1 nos livros da Rainbow, me falta ler "Ligações" ainda. Mas, sinceramente, a vontade está um pouco baixa para lê-los. Quem sabe mais pra frente...


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.