Pular para o conteúdo principal

Resenha | Razão e Sensibilidade e Monstros Marinhos - Ben H. Winters


Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2009.


Nesta obra, as irmãs Dashwood são expulsas do lar em que passaram a infância e enviadas para viver na Ilha Pestilenta, local repleto de criaturas selvagens e segredos obscuros. Enquanto a sensata Elinor se apaixona por Edward Ferrars, sua romântica irmã Marianne é cortejada por dois pretendentes ao mesmo tempo: o vistoso Willoughby e o medonho coronel Brandon, parte homem, parte polvo. Conseguirão as irmãs Dashwood triunfar sobre matriarcas intrometidas e patifes inescrupulosos e encontrar o verdadeiro amor? Ou se tornarão vítimas dos tentáculos que estão sempre a lhes agarrar os calcanhares?

Eu já li e adorei o Orgulho e Preconceito e Zumbis, então, não poderia deixar de ler seu "coirmão". Adianto que gostei muito deste também.

Mas primeiro, vamos esclarecer algumas coisas. Como o próprio título já fala, trata-se de uma adaptação da história original com monstros marinhos. Se você é daqueles que acreditam que é falta de criatividade, é um abuso, que qualquer-outra-coisa, NÃO LEIA! Agora, eu li alguns comentários no skoob a respeito desse livro que são de chorar ou de morrer de rir, a interpretação é livre, seguem:

    "Nossa, como podem acabar com um clássico da literatura, assim. Deu nos nervos. Nem consegui terminar a leitura. Penso que se um autor não tem criatividade própria, pode até se basear no tema principal de uma história, mas jamais maculá-la desta forma. Ridículo."

Ou:

    "Como alguém pode fazer um absurdo desses a uma obra tão boa (como qualquer outra de Jane Austen)? Do mesmo jeito que colocaram zumbis em Orgulho e Preconceito, fizeram esse desastre em Razão e Sensibilidade! Um total absurdo! Horrível, larguei a leitura na metade!"

Sério, tá lá no skoob para quem quiser ler. Por isso, eu quero deixar bem claro: se você compartilha dessas opiniões, NÃO LEIA! É simples assim. O propósito do livro está no título e na capa.

Agora, falando dos méritos do livro. Eu rolei rindo com ele, assim como com Orgulho e Preconceito e Zumbis. Neste livro, é como se houvesse uma revolta dos seres do mar contra os humanos, que os mantém em constante batalha. Então, a história original é bastante alterada para fazer isso acontecer. Ah, e também tem piratas! 

Partindo do original da Jane Austen, somente as linhas gerais se mantém. Os personagens e grandes eventos permanecem, mas de resto, muita coisa foi alterada. Pobre do Coronel Brandon que não bastasse ser velho, viúvo, agora tem tentáculos no rosto (vide a capa).

Uma coisa que mudou bastante, mas que ficou bem legal foi a história que o autor criou para a irmã Dashwood que quase não aparece na história original, a Margaret. Tem alguma coisa estranha acontecendo no novo lar das Dashwood que somente ela nota e lá-vem-treta!

Permanece sendo uma comédia de costumes e também trata das diferenças entre a Marienne e a Elinor. A mãe das irmãs me parece que ganha mais destaque também (confesso que faz um certo tempo que li Razão e Sensibilidade original). Willoughby continua o mesmo, e é o protagonista das cenas mais engraçadas também.

Então, é um ótimo livro de divertimento. Eu tenho comentado que se essas histórias fossem filmes, talvez eu não gostasse - não sou muito de filmes de comédia. Mas como livros são engraçadíssimos e eu vou continuar explorando livros que brincam com os clássicos, já tenho 3 outros engatilhados, só aguardando.

Concluo dizendo que, sim, é uma avacalhação da história original e se você não gosta disso por qualquer motivo, não se dê o trabalho de lê-lo. Mas se você, como eu, adora as adaptações das obras de Jane Austen, leia, é muito divertido!



E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro