Pular para o conteúdo principal

Resenha | Ordem - Hugh Howey


Silo #2
Editora: Intrínseca
Páginas: 512
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 2013.


E se a sobrevivência dos seres humanos dependesse do deslocamento de milhares de cidadãos para uma enorme cidade subterrânea, com gigantescas telas de TV transmitindo imagens desoladoras do mundo do lado de fora e ninguém fosse autorizado a sair?
Esse é a história de Silo, a série escrita por Hugh Howey que desbancou Guerra dos Tronos na lista de livros de ficção científica mais vendidos na Amazon. No primeiro livro da série, a heroína era Juliette, uma mecânica nascida nos subterrâneos. A narrativa de Ordem, que alterna passado e presente, começa em um período anterior ao descrito em Silo, explicando como o mundo de Juliette foi transformado. São apresentados ao leitor um portador do século XXIII; um senador da Geórgia num futuro próximo; um garoto abandonado, cuja história termina quando a de Juliette começa, e Troy, que acorda em 2110 sem saber quem é.Em Ordem, os personagens escapam da morte ao serem congelados em cápsulas criogênicas, sendo acordados de tempos em tempos para tomar remédios, realizarem alguns trabalhos alienantes e depois dormir outra vez. O livro volta no tempo, ao ano de 2049, revelando as decisões tomadas por alguns poucos poderosos, responsáveis por bilhões de mortes que deixarão a humanidade em vias de extinção.Hugh Howey apresenta aos leitores um mundo pós-apocalíptico, com os poucos seres humanos restantes sobrevivendo à atmosfera tóxica do planeta Terra em um silo subterrâneo.A narrativa torna-se claustrofóbica e contrita à medida que a humanidade é forçada a viver no silo e a tomar medicamentos que a fazem esquecer a destruição infligida aos amigos e parentes. Ao contar uma história que se passa em um futuro bem próximo, Howey cria um apocalipse totalmente convincente e, à medida que revela as camadas de seu mundo distópico, pavimentando o caminho para a sequência da série, "Legado".

Esse é o segundo volume da série Silo. Eu me apaixonei pela série no primeiro volume, acho que o autor tem o dom para escrever uma história detalhista e rápida.

Fiquei muito frustrada quando li a sinopse de Ordem e descobri que ele não é sequência direta de Silo. Ou seja, neste livro, voltamos no tempo para as origens de Silo, quando foi instituída a Ordem.

Tirando essa decepção de lado, o livro resiste com seus próprios méritos. Acompanhamos a história de um deputado recém eleito e assistimos ele ser sugado em tramóias políticas. Um senador que o havia "acolhido" nas eleições, acaba pedindo o favor em retorno.

Além disso, acompanhamos a história de Troy, que acorda de um "sono criogênico" e se vê na liderança do Silo 1, o Silo que comanda todos os outros, o Silo que supostamente tem as respostas. Através da visão de Troy, a história acaba se aproximando um pouco mais da história que aconteceu no Silo.

Essas são as principais perspectivas, mas pela metade do livro, acompanhamos outras histórias também. E assim, temos uma visão - ouso dizer - completa da formação dos Silos e da manutenção deles.

Desde os primeiros dois capítulos, fui fisgada para essa história. O livro pula no tempo sem nenhum perdão, mas não me perdi na narrativa em nenhum momento. Um pouco acompanhamos o passado, um pouco o presente, saltando de Silo em Silo e na leitura, vamos reconhecendo algumas coisas que foram referidas no primeiro livro e que agora são contadas.

Eu acho incrível como ele construiu essas histórias, ao mesmo tempo que ele dá respostas, ele incute novas dúvidas e vai tornando um emaranhado de histórias que vicia!

Não tenho ideia do que esperar de Legado, terceiro livro, mas eu não queria esperar até 2016, lança looooogo, Intrínseca! É um ótimo livro pós-apocalíptico, meio distópico. Recomendo!


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever