Pular para o conteúdo principal

Resenha | Simplesmente Ana - Marina Carvalho

Editora: Novo Conceito
Páginas: 304
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2013.


Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha…Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex.Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro.A não ser… A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam.Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.


Esse é o terceiro livro da autora que leio e se tem uma característica que todos eles contém é pegar uma história não-tão-original-assim e torná-la refrescante e divertida. Tem resenha de Azul da cor do mar no blog.

Uma brasileira levando a vida comum de plebéia até que seu pai a encontra no Facebook e ela descobre ser princesa-herdeira de um trono num pequeno reino. Já ouviu isso antes? Aposto que sim, eu também. Entretanto, isso não estragou minha leitura de nenhuma forma. A protagonista Ana e o seu par-romântico Alex tornam a história divertida apesar de não original.

Toda a descoberta de como ser princesa, além de tentar se envolver com um outro país, uma nova língua e um novo amor. A história de Krósvia. E toda a inversão de personagem do Alex. Esses são alguns dos motivos que me fizeram gostar do livro.

Ele é curto, porém as páginas foram usadas de maneira sábia, balanceando a história entre a descoberta de ser princesa, o envolvimento com o pai e o país, o romance, alguns mistérios e simplesmente ser adolescente.

Esse é o primeiro livro de uma série que fez e faz muito sucesso, espero concluir a leitura. Vou guardar os livros para ler quando precisar de uma diversão sem comprometimento. Muito legal!


Siga o blog!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.