Pular para o conteúdo principal

Filme | X-Men - Dias de um Futuro Esquecido

Olá, tudo certo por ai?


                Então, o filme que eu escolhi pra comentar dessa vez é X-Men. Mas antes, fichinha técnica.

Título Original: X-Men: Days of Future Past
Lançamento: 22 de maio de 2014
Com: Hugh Jackman, Ian McKellen, James McAvoy, Jennifer Lawrence, Famke Janssen e mais.
Dirigido por: Bryan Singer
Duração: 131 minutos
Gênero: Ação, Aventura.
Sinopse: A formação definitiva de X-Men luta uma guerra pela sobrevivência da espécie em dois períodos de tempo em "X-Men: Dias de um Futuro Esquecido". Os amados personagens da trilogia "X-Men" original juntam-se aos seus eus jovens de "X-Men: Primeira Classe" em uma batalha épica que deve mudar o passado para salvar o futuro.




                Depois de alguns aninhos fora da franquia iniciada em 2000, Bryan Singer volta ao universo dos mutantes para tentar seguir com o sucesso que foi X-Men: First Class (dirigido por Matthew Vaughn). E se Bryan Singer tem algum poder mutante, é o de realmente querer trazer algo a mais para esse universo. Mas nem sempre, querer é poder.
                Não sou o maior fã dos X-Men, muito menos o maior conhecedor da história desses mutantes. Na verdade, sou fã de pouquíssimos heróis do lado da Marvel, meu gosto sempre foi mais pelos heróis da DC. Mas mesmo gostando um pouco mais da DC, não posso deixar de dizer que o universo que abrange os X-Men é gigantesco, com várias histórias sensacionais, e a contada no filme é uma das boas.
                Mas o fato da história ser boa nos quadrinhos não quer dizer que isso se repetiu no filme, pelo contrário, o filme está um pouco longe de ser sensacional como os quadrinhos. Mas não vamos nos prender a mesmice de sempre: quadrinhos vs filmes.
                Porém, pra inicio de conversa o roteiro tem algumas mudanças em comparação com a história original. Uma dessas mudanças é o fato de o Wolverine voltar ao passado pra tentar consertar a merda toda. Se não me engano, quem faz isso nos quadrinhos é a Kitty Pryde, mas até ai tudo ok. A gente sabe que o Hugh Jackman, digo, o Wolverine vende mais.
                Então temos a troca do protagonista, em vez da Kitty, temos Wolverine de volta ao passado. Ele volta ao passado para impedir a criação das Sentinelas e a quase aniquilação da raça mutante e humana.
                Para fazer isso, ele segue as dicas do professor Xavier e do Magneto do futuro, onde ele deve voltar e encontrar os dois para impedir a Mística de matar o cientista e criador do projeto Sentinela, Bolivar Trask. A partir desse momento que certas coisas começam a dar um pouquinho errado a meu ver.
                O fato de eles terem que libertar o Magneto, até então preso, não encaixa na minha cabeça. Acabou sendo um personagem que não ajudou em nada no objetivo geral, e ainda tentou atrapalhar. Claro, que se fez necessária a sua presença pra mostrar outro ponto de vista mutante, mas pra mim, a história sem ele poderia ter sido seguida tranquilamente.
                Outra coisa que me deixou um pouco incomodado foi a escolha do Peter Dinklage para fazer o papel do cientista Bolivar Trask. Que ele é um baita ator, a gente sabe, a gente o viu em Game of Thrones sendo sensacional na pele do anão Tyrion. E ele não fez menos como Bolivar, mas o fato de escolherem um anão para o papel deixou a sensação de que deveria sim ter sido explorada essa condição no personagem. Mas não, em momento algum é tratado esse assunto, deixando claro que se qualquer outro ator tivesse feito esse personagem, de nada mudaria a história.
                X-Men - Dias de um Futuro Esquecido consegue acertar no ponto famoso, cenas de ação. Todas as cenas de batalhas são bem feitas. Algumas com certo tom de humor, como por exemplo, a cena do Mercúrio. Nesse ponto, realmente acertaram.
                Mas no final de tudo, X-Men – Dias de um Futuro Esquecido, não passa de uma grande desculpa para tentar arrumar erros cometidos na primeira trilogia. E no final de tudo, na cena final, onde eles poderiam ter acertado a desculpa de um “novo futuro”, eles comentem um erro básico, quebrando toda essa grande desculpa. Esquecem os três primeiros filmes, e trazem de volta personagens que não deveriam estar ali.
                Por esses motivos acima, que X-Men – Dias de um Futuro Esquecido não passa de um filme razoável. Bom para entreter se você conseguir se desligar do que já foi mostrado em outros filmes. Por isso minha nota é:

 3 estrelas

E você, o que achou de X-Men? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.


Comentários

  1. Olá Raul!! Bem, eu sou apaixonada por X-men..
    Pelos quadrinhos, pelo desenho e até por alguns filmes.
    Esse último, no entanto, não me agradou tanto..
    Achei muito longo, além de bastante confuso. Como você mesmo disse, eles quiseram consertar diversas falhas, mas acabaram terminando com uma outra! :/
    Uma pena, pois a história é incrível e os atores são muito bons!
    Beijinhos ♥

    Thati;
    http://nemteconto.org

    Venha participar do sorteio do livro "Pó de lua" autografado pela autora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Realmente nesse último eles acharam que viagem no tempo consertaria tudo, mas no final, não consertou foi nada

      Abraço ;)

      Excluir
  2. Oiii,
    Ai amo blogueiros que também comentam sobre filmes ♥
    Esse eu ainda não assisti, estou só enrolando =/
    Só fico triste que cortaram a cena da Anna!

    Parabéns pelo blog, estou seguindo aqui :)

    bjs e tenha uma ótima semana =)
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Então, deixe de enrolação e assista ;P
      Essa de cortarem a cena eu não sabia ;)

      Abraço

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.