Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Rei da Noite - João Ubaldo Ribeiro

Editora: Objetiva
Páginas: 200
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado em 2008.

Em O Rei da Noite, o escritor extrai graça de fontes que domina com maestria: o universo hiperbólico da boemia, os contrastes entre passado e presente, tradição e novidade. Tendo como pano de fundo lugares de forte ligação afetiva , como o já lendário boteco do Leblon e a também mitológica Itaparica, O Rei da Noite contém o supra-sumo do talento humorístico de um dos maiores escritores brasileiros, autor de obras-primas da literatura nacional como Viva o Povo Brasileiro e Sargento Getúlio.



Se trata de um livro de crônicas, ou melhor dizendo, de textos e histórias intercalados com alguns diálogos de excelente qualidade. É daquele tipo de livro que você pensa "só mais um texto" e devora o livro inteiro numa noite, sem chances de largá-lo.

Eu já li um livro do autor, que foi A Casa dos Budas Ditosos, para a coleção Plenos Pecados, então estava esperando sua qualidade. A escrita é divertida, irônica, de vocabulário prolixo, sem medo de usar palavras como "calipígia", ele confia no seu leitor para entendê-lo. Aliás, o Brasil perdeu muito com sua morte recente, um baita escritor!

Ele trata de variados temas de uma perspectiva de senhor mais velho mesmo. Fala das agruras de ser velho, do padrão de beleza barbie, de fumar e parar de fumar, de questões "cornológicas", além de outras coisas.

Recomendadíssimo para quem gosta de ler crônicas, para quem aprecia as ironias da vida e da escrita. Para quem quer encarar a realidade de uma outra forma. Ficam alguns quotes, de gostinho:

"Claro, eu sabia que não ia durar muito. Há bastante tempo minha qualidade de vida tem sido de baixíssimo nível e, como se sabe, é impossível sobreviver hoje em dia sem cuidar da qualidade de vida. Do contrário, o sujeito morre depois de ler as seções de saúde dos jornais, tamanho é o terrorismo que fazem em relação à qualidade de vida. Devia haver um aviso nessas seções, advertindo que sua leitura contumaz leva a todo tipo de doença imaginável."

"Minha qualidade de vida, sou obrigado a reconhecer, está um lixo. Não caminho no calçadão, não jogo nem peteca, não frequento academia e não sigo dieta. Pelo contrário, encaro tudo que faz mal numa boa e soube que a Associação Brasileira de Fabricantes de Porcarias Variadas, de biscoitos recheados que enjoam até criança a doces de origem obscura, planeja me homenagear (aceito, mas quero minha parte em dinheiro, ou então em sorvete)."

"...(daí a expressão "frango fresco" e a consequente "galinhas abatidas", pois, para as galinhas, deve ser meio frustrante só topar com frango fresco, elas só podem ficar muito abatidas com isso)."

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…