Pular para o conteúdo principal

Resenha | Época de Morangos - Rafaella Vieira

Editora: Gutenberg
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2014.

Um dia, aos 13 anos, Jordana vê de longe um rapaz e tem a certeza que ele é seu Príncipe Encantado – um desconhecido que é o mais lindo e perfeito garoto do mundo. Um tempo depois, descobre que ele estuda na sua própria escola, porém é mais novo que ela, e nem sonha com namoradas ou amor. O tempo vai passando, e aos poucos os dois vão descobrindo as dores e as delícias da adolescência e juventude, e entre encontros e desencontros, buscam a felicidade ao lado do verdadeiro amor, que pode nascer à primeira vista, mas durar para sempre.


Então, o que falar do livro que me deixou de ressaca por duas semanas? Levei essas duas semanas para chegar na página 50 e só terminei de birra, poderia ter abandonado facinho lá no início mesmo.

Até a página 200, a história -- que história? Não tem história até a página 200. A protagonista nos dá uma breve explicação da sua vida, de como conheceu seu grande amor e continua nesse platonismo até quase o fim do livro.

Acredito que ele dê uma visão bem realista de como são os primeiros amores da nossa vida, aquele platonismo extremo. E no caso da Jordana, por um cara mais novo. Aliás, pelas primeiras 200 páginas, (tô fixada nelas) a única coisa que rola é ela reclamando da grande diferença de idade, já que ela tem 13 e ele tem 12 anos.

Também tem alguns diálogos e algumas festinhas bem avançados para quem tem 13 anos - e eu sei, pareço uma velha, mas no meu tempo não era assim... haha

Agora, falando sério, até quase o final do livro a história não muda, embora 3 ou 4 anos tenham se passado. O que acontece nos primeiros capítulos continua se repetindo até que finalmente acontece alguma coisa e o livro se encaminha para o final.

O final não poderia ser outro dada a construção do livro, porém, é um final bem irreal, bem clichezão, bem sessão da tarde, porém foi fofo. A tal "época de morangos" foi um toque bem legal, gostei de como foi utilizado.

"Tinha a impressão maluca de que quando se é linda não há sofrimento, pois as garotas bonitas sempre pareciam invencíveis e tinham tudo que queriam. Levei alguns anos para perceber quanto estava errada."

Na aba do livro, a informação é de que ele é baseado na história da autora e quem sou eu para dizer algo sobre a vida da autora, mas acho que ele poderia ter umas 200 páginas a menos. Talvez uma menina mais nova aprecie mais a leitura, devo ressaltar, não sou exatamente o público-alvo dele.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever