Pular para o conteúdo principal

Resenha | Cores de Outono - Keila Gon

Saga Cores #1
Editora: Novo Século
Páginas: 440
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado em 2013.

O inesperado, o impossível, o destino... Quem ama escolhe seus caminhos, vence o medo, ultrapassa a razão, duela com a dúvida entre o certo e o fácil para seguir seu coração. Melissa encontrou em um olhar as revelações de toda uma vida e longe da lógica escolheu o caminho confuso, mas surpreendente do amor. Ela chegou à pequena cidade da montanha com a responsabilidade de cuidar de Alice, sua irmã caçula, esperando uma vida simples. Mas se viu envolvida por Vincent, um estranho arrogante, dono de irresistíveis olhos turquesa que vai levá-la através da sombra e da luz para revelar surpresas inimagináveis de um Mundo Mágico perigoso e fascinante. A cada encontro este homem misterioso amedronta e encanta; desperta sentimentos e a faz duvidar de sua coragem. Mas, antes que Melissa seja arrebatada por esse amor, ela precisa enfrentar elfos, magos e intrigas em um mundo inóspito que testará seu coração. Cores, de outono é o primeiro volume de uma saga mágica que vai instigar emoções e paixões.




Como eu já contei para vocês, estou participando no BookTour do livro Cores de Outono, da queridíssima Keila Gon. Assim que ele chegou, comecei a ler e me maravilhei com o mundo criado nele.

Então, a história começa com a mudança de Melissa e Alice para morar com o avô numa cidade montanhosa em São Paulo. Depois de perderem a mãe e para ajudar na criação de Alice, que é pequena, elas estão buscando um pouco de estabilidade.

Só que, claro, isso não acontece. Logo já somos introduzidas aos boatos que cercam a montanha e seus moradores, a um pessoalzinho esquisito na cidade e ao Vincent ♥

O livro é um romance com elementos de fantasia, mas predomina o aspecto amoroso da história. A parte fantasiosa é introduzida bem aos poucos, o que dá um ar até de normalidade frente a esse mundo de elfos, magos, outros mundos, etc.

Melissa é uma protagonista interessante, ela me irritou por chorar demais, porém, ela mesma sabe que chora sem parar e se autocritíca, o que traz até um humor para a situação. Fora isso, ela não é adolescente, é uma mulher adulta já, com seus 21 anos e com vivências que a fizeram amadurecer, então ela é bem real.

Vincent é o cara para você se apaixonar. Não tem como não se apaixonar. Ele é sério, taciturno e vários boatos o cercam. Ele é misterioso e surpreendente e eu quero ele pra mim, ponto final.

Eu gostei também dos personagens secundários, como o Opa George, a família vizinha deles e seu restaurante que me deu fome. A família da montanha também é interessante, ainda mais por nem todos seres humanos. O cachorro Heros é um fofo também.

As paisagens são descritas de uma maneira muito bonita e achei o desenvolvimento do livro bastante legal. Não é um livro com um ritmo acelerado, inclusive pouco tempo se passa nessas 440 páginas. Outra coisa, é que encontrei alguns errinhos de revisão, mas dá para relevar.

O segundo volume da trilogia já foi lançado e se chama Sombras da Primavera. Eu estou louca para ler e em breve deve rolar resenha, pois o Book Tour dele vai começar logo *-*

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Oi Rafa!!!! Obrigada pelo carinho vio!
    Cores é um dos meus livros nacionais favoritos e fico mega feliz qdo mais gente se apaixona por esse enredo mágico!

    Falta só Sombras agora neh? rsrsrsrsrsr

    bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  2. Ohhhhhh obrigada Rafa!!!!! Eheheh adorei a resenha e sim, kkkk nem vai demorar p vcs mergulharem nas sombras kkkkkk beijoooo
    Keila Gon

    ResponderExcluir
  3. Ohhhhhh obrigada Rafa!!!!! Eheheh adorei a resenha e sim, kkkk nem vai demorar p vcs mergulharem nas sombras kkkkkk beijoooo
    Keila Gon

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever