Pular para o conteúdo principal

Resenha | Azul da Cor do Mar - Marina Carvalho


Editora: Novo Conceito
Páginas: 334
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2014.

ACASO, DESTINO ou LOUCURA? No caso de Rafaela, Pode ser tudo isso junto. Para alguém como ela, nada é impossível.Rafaela sonha desde a adolescência com o garoto que viu uma vez, perto do mar, carregando uma mochila xadrez... A idéia fixa não a impediu, porém, de ser uma menina alegre e muito decidida.Ela quer ser jornalista, e seu sonho está se concretizando: Rafaela Vilas Boas (um nome tão imponente para alguém tão desajeitado) conseguiu um estágio no melhor jornal de Minas Gerais. Mas, como estamos falando de Rafa, alguma coisa tinha que dar errado. O jornal é mesmo incrível, mas seu colega de trabalho, Bernardo, não é a pessoa mais simpática do Mundo.Em meio a reportagens arriscadas – e alguns tropeços -, Bernardo acaba percebendo, contra a sua vontade, que Rafaela leva jeito para a coisa... E que eles formam uma dupla de tirar o fôlego.Mas e a mochila? E o garoto, o envelope, as cartas? Um dia a estabanada Rafaela vai ter que se libertar dessa obsessão.

Marina Carvalho é uma autora nacional, atual, que escreve chick-lits. Da autora, eu já li Ela é uma Fera, no kindle, uma novela que reconta uma história de Shakespeare.

Falando sobre Azul da Cor do Mar, comprei logo que lançou, influenciada pelo nome da protagonista - não é fácil achar livros com personagem nomeada Rafaela. Depois, começaram a sair as resenhas e eu fiquei cada vez mais ansiosa para ler. Até que finalmente li.

Ele dividiu a minha opinião, porque amei o livro quase até o final. Explico. Ele não é um romance. A autora encontra maneiras de explorar temas muito legais e deixar o romance mais interessante.

Rafaela começa a trabalhar com Bernardo, como estagiária num renomado jornal de Minas Gerais. Já de cara, gostei. Ela aborda ética no jornalismo e até mesmo a relação estagiário-empresa. Dei graças a deus que a minha chefa não é que nem o Bernardo!

Ou ainda, em uma das histórias que eles vão buscar para o jornal, ela explora o tráfico de drogas. Ela tenta mostrar pro leitor que uma história tem mais de uma visão, que até mesmo o criminoso tem seus motivos. Eu nunca tinha visto um romance abordar esse tema, dessa maneira tão sem-palavras-melhores real. Aplaudi a autora!

Tenho minhas dúvidas quanto a "realidade" dos personagens. Afinal, Rafaela é meio estouradinha e desbocada. E Bernardo é meio escroto mesmo. Achei ambos um tanto exagerados, principalmente na relação estagiário-chefe, na qual ambos gritam e esperneiam até não poder mais. Mas também, é romance e, geralmente, para ênfase, os ânimos se acirram.

Estava pronta para amar o livro, quando li as últimas páginas. A autora atropelou todo o final. Sério, eu não me importaria se o livro tivesse mais cem páginas, eu estava adorando. Mas não bastasse a pressa, os personagens foram estragados, no final. Toda a personalidade que foi construída ao longo do livro foi deturpada. Tornando a Rafaela, que era decidida e independente numa guriazinha de 12 anos que toma decisões de vida através do namorado. E Bernardo, num idiota total, sem justificativa nenhuma.

Eu acabei dando 4 estrelas, mas poderia ter dado 2 ou 3. Não consegui acreditar que em 30 páginas o livro inteiro foi pro brejo, me apeguei mais às outras 300 páginas que foram super legais. Enfim, eu reescreveria o final inteiro, mas gostei muito da leitura.


E você? Já leu?
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…