Pular para o conteúdo principal

Harry Potter and the Chamber of Secrets - J. K. Rowling

Harry Potter #2
Editora: Scholastic
Páginas: 309
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado originalmente em 1998.


All Harry Potter wants is to get away from the Dursleys and go back to Hogwarts School for Witchcraft and Wizardry. But just as he's packing his bags, Harry receives a warning from a strange, impish creature named Dobby - who says that if Harry Potter returns to Hogwarts, disaster will strike.
And strike it does. For in Harry's second year at Hogwarts, fresh torments and horrors arise, including an outrageously stuck-up new professor, Gilderoy Lockheart, a spirit named Moaning Myrtle who haunts the girls' bathroom, and the unwanted attentions of Ron Weasley's younger sister, Ginny.
But each of these seem minor annoyances when the real trouble begins, and someone--or something--starts turning Hogwarts students to stone. Could it be Draco Malfoy, a more poisonous rival than ever? Could it possibly be Hagrid, whose mysterious past is finally told? Or could it be the one everyone at Hogwarts most suspects... Harry Potter himself.


ESTE POST CONTÉM SPOILERS

Sem pretensões de resenhar Harry Potter, não queria deixar passar em branco a primeira vez que li HP em inglês. Então, pensei em simplesmente falar em algumas das minhas cenas/personagens/coisas preferidas nesse segundo livro da série, já que no primeiro livro comentei sobre o meu amor por HP.

Bom, primeiro o Dobby. Quem não se apaixona pelo Dobby no fim? Confesso que nesse segundo volume, ele me irrita horrores, mas só por causa das suas artimanhas para impedir o Harry de ir para Hogwarts. Lembro de ficar nervosa na primeira cena em que o Dobby aparece, quando li pela primeira vez, aquela coisa toda do pudim da Petúnia.

A Toca! Eu quero morar na Toca. Quero ter um relógio que aponte onde cada membro da família está, quero que meu tricô se faça sozinho, quero que minha louça se lave sozinha, quero gnomos no jardim (e todos os Weasley para desgnomizar), quero também usar o pó de flú.

Gilderoy Lockhart. Meu Deus, nunca tive tanta raiva de um personagem (depois veio a Umbridge para mudar meus padrões). Como pode que até a Hermione tem uma crush por ele?

Murta que Geme e Poção Polissuco. Eu nunca imaginaria o papel da Murta na resolução da história deste livro. Adorei as partes passadas no banheiro, preparando a poção. E, além disso, eu super jurava que era o Malfoy...

Aniversário do Nick Quase-Sem-Cabeça. Até hoje morro de vontade de ir numa festa de aniversário de morte de um fantasma. Imagina a quantidade de gente legal que tu encontrarias numa festa dessas?

Essa é minha pequena lista de coisas favoritas nesse livro, mas isso sem nem comentar sobre o carro voador, a maior participação da Gina, todo o simbolismo do diário do Tom, Colin Creevey, etc.

E você? Quais suas partes preferidas desse livro?
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora: Record Páginas: 220 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977.

Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.