Pular para o conteúdo principal

Mini-Opinião | A Espanhola Inglesa - Miguel de Cervantes


Editora: Rocco
Páginas: 104
Estrelas: ✬✬✬
Publicado originalmente em 1613 com o título de La Española Inglesa


Em A espanhola Inglesa, de Miguel de Cervantes Saavedra, o filho de um corsário inglês se apaixona por uma jovem espanhola raptada por seu pai. Um grande amor que será posto à prova até mesmo pela rainha da Inglaterra. A partir desta singela história de amor proibido, o autor construiu uma narrativa saborosa, cheia de reviravoltas e de desfecho surpreendente que tornou-se uma das mais representativas entre as suas Novelas Exemplares – série de 12 obras breves publicadas em 1613 e escritas em diferentes épocas pelo autor de Dom Quixote de La Mancha.
Na trama, aos sete ano, Isabela é sequestrada na cidade de Cádiz por Clotaldo, cavalheiro inglês e comandante de esquadra, pai de Ricaredo. Levada para Londres, a menina é criada pela família, como se dela fizesse parte, mas apresentada socialmente como escrava. O jovem Ricaredo, no entanto, se apaixona por Isabela.
Uma história de amor impossível, vivido por dois adolescentes que não esmorecem ao fazer valer seu sentimento diante dos preconceituosos costumes e comportamentos da Espanha do século XVI. Destacando a crítica social num tom satírico, Cervantes desenha ao longo dessa novela fascinante e movimentada o tom das aventuras e desventuras em que decorreu sua própria vida.


Nunca li nada do Cervantes, esse foi meu primeiro contato. Minha mãe está fazendo essa coleção da Rocco, das Novelas Imortais, que são pequenas novelas por vezes perdidas no tempo e em edições.

Não sei exatamente o que eu esperava, mas não esperava uma história de amor como essa. É super rapidinha de ler e gostosa, passa voando.

É um pequeno conto, sem muito aprofundamento no psicológico dos personagens, mas que reflete os costumes e a sociedade da época. Vale a leitura!


Já leu? O que achou? Deixe nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…