Pular para o conteúdo principal

Resenha | Psicose - Robert Bloch

Editora: Darkside
Páginas: 240
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1959


Psicose, o clássico de Robert Bloch, foi publicado originalmente em 1959, livremente inspirado no caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein. O protagonista Norman Bates, assim como Gein, era um assassino solitário que vivia em uma localidade rural isolada, teve uma mãe dominadora, construiu um santuário para ela em um quarto e se vestia com roupas femininas.O livro teve dois lançamentos no Brasil, em 1959 e 1964. São, portanto, quase 50 anos sem uma edição no país, sem que a maioria das novas gerações pudesse ler a obra original que Hitchcock adaptou para o cinema em 1960. A DarkSide orgulhosamente tem o prazer de reparar este lapso, em julho de 2013, com o lançamento de Psicose em versões brochura (classic edition) e capa dura, limited edition que incluirá um caderno especial com imagens do clássico de Hitchcock.Uma história curiosa envolvendo o livro é que Alfred Hitchcock adquiriu anonimamente os direitos de Psycho e depois comprou todas as cópias do livro disponíveis no mercado para que ninguém o lesse e, consequentemente, ele conseguisse manter a surpresa do final da obra.Em Psicose, Bloch antecipou e prenunciou a explosão do fenômeno serial killer do final dos anos 1980 e começo dos 1990. O livro, junto com o filme de Hitchcock, tornou-se um ícone do horror, inspirando um número sem fim de imitações inferiores, assim como a criação de Bloch, o esquizofrênico violento e travestido Bates, tornou-se um arquétipo do horror incorporado a cultura pop.


Impossível não ter ouvido falar nesse clássico, certo? Eu nunca assisti ao filme, resolvi ler o livro antes. Embora o diretor do filme tenha tentado impedir justamente isso, para manter o choque ao final do seu filme.

Realmente, o final é chocante. De início, o livro segue uma leitura comum, com algumas histórias sendo expostas. De uma mulher, que rouba seu chefe e foge para encontrar o namorado e acaba indo parar no hotel de Norman Bates.

Ele tem ação, é claro. São vários assassinatos. Porém, acho que o diferencial do livro é o psicológico dos personagens. O distanciamento, a mãe obsessiva. É bem fascinante o quanto isso pode afetar o psicológico de uma pessoa, a diferença que faz quando confrontado com loucura ou sanidade.

Eu realmente não lembro de ter assistido ao filme, mas devo ter lido algum spoiler em algum lugar, porque pela metade do livro, eu "lembrei" o que acontece no final. Que realmente é um final chocante, especialmente para a época de publicação desse livro.

É daqueles que você é meio obrigado a ler, mas não no sentido ruim. A leitura é fluida, a história é boa e o final é fantástico. Não é uma maravilha propriamente dita, é o final que realmente faz a diferença no livro como um todo.

Essa edição da DarkSide é lindíssima, com cenas do filme. Além disso, é um livro curto e rápido de ser lido. Ah, e para os assustados de plantão - como eu - pode ler sem muito medo, ele não é tão terror assim. Embora eu tenha lido acompanhada, caso o assassino quisesse sair das páginas e vir me atacar haha

Como eu disse, ainda não vi o filme, mas espero ver em breve e poder dizer qual é melhor. Mas dizem que o filme supera o livro. De qualquer forma, é um livro que eu gostei muito de ler.


Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora: Record Páginas: 220 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977.

Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.