Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Clube dos Suicidas - Robert Louis Stevenson

Editora: Rocco
Páginas: 128
Estrelas: ✬✬✬
Publicado originalmente em 1878 com o título de The Suicide Club


Antecipando-se ao moderno romance policial, numa verdadeira "extravagância literária" para os padrões da época, O Clube dos Suicidas apresenta um grupo de cavalheiros que querem se matar, mas não têm coragem. No intuito de investigar esta curiosa associação, o destemido príncipe Florizel e seu fiel confidente Coronel Geraldine não sabem que, ao entrarem como sócios, podem ser sorteados a assassinar um dos membros, transformando a investigação numa complicada e sinistra aventura. Afinal, quem arquiteta esses crimes sob a fachada do clube?
Nesta novela perturbadora e envolvente, Stevenson, além de entreter o leitor e mantê-lo com os sentidos aguçados da primeira à última página, faz um minucioso levantamento dos costumes do século XIX, conduzindo a ação com admirável desenvoltura e criando personagens inesquecíveis.

Esse não foi meu primeiro contato com o autor, já li e resenhei por aqui O Médico e o Monstro. E em ambos, acabei sentindo falta de um maior aprofundamento da história para melhor apreciá-la.

O plot da história é fantástico, um grupo de cavalheiros que querem se matar, porém sem coragem, formam um clube onde cada um vai morrendo, de acordo com um jogo de cartas. É praticamente uma roleta russa.

Nas noites de reunião, quem estiver presente participa de uma mesa redonda, onde são distribuídas cartas, quem tirar uma determinada será o assassino, quem tirar outra determinada carta será o assassinado. Fantástico, não? Além de conquistar o objetivo, que é morrer, os participantes o fazem com classe e um certo romance, não?

Bom, essa é a primeira parte, a novela se divide em três. Na segunda parte, parece que saímos da história original e somos introduzidos a outros personagens com outras intenções. Até que ambas se unem no final.

Eu não sei precisar exatamente qual é o meu problema com a narrativa desse autor, mas parece que falta alguma coisa para me envolver com a história. Seus personagens são distantes e, pela pouca quantidade de páginas, é difícil se envolver realmente.

Fico de coração dividido, de um lado adorando a história e não gostando de como foi escrita. Estranho, mas é uma leitura que vale a pena pela história, por causa de suas poucas páginas, pois se fosse um livro maior, provavelmente eu não conseguiria acompanhar.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Leituras da Semana #42

Nessa semana tirei do caminho um calhamaço de 800 páginas, Outlander - A viajante do tempo. Que livro bom, envolvente, da categoria é grande, mas é rapidíssimo de ser lido.

Conta a história de Claire, que vive em 1945, salvo engano. Ela é casada, mas passou afastada do marido graças à guerra, quando serviu de enfermeira. Eles estão finalmente indo construir um lar quando, num monumento escocês, um agrupado de pedras bem estranho, ela volta no tempo e reaparece 200 anos antes, na época dos clãs escoceses.

Lá, ela é obrigada a construir uma nova vida, pelo menos até que consiga voltar para o seu próprio tempo. Só que ela acaba envolvida numa outra guerra, e suspeitam que ela seja uma espiã inglesa. Bom, aí a vida complica. Mas ao mesmo tempo, ela conhece Jamie ♥ e até que não fica tão difícil assim viver sem banhos quentes.

Gostei muito do livro, acho que ele é super abrangente em temáticas, tem diálogos interessantes e engraçados e por mais que seja longo, as páginas foram bem explorad…