Pular para o conteúdo principal

Resenha | Silo - Hugh Howey


Silo #1
Editora: Intrínseca
Páginas: 512
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2012 com o título de Wool 

O que você faria se o mundo lá fora fosse fatal, se o ar que respira pudesse matá-lo? E se vivesse confinado em um lugar em que cada nascimento precisa ser precedido por uma morte, e uma escolha errada pode significar o fim de toda a humanidade?Essa é a história de Juliette. Esse é o mundo do Silo.
Em uma paisagem destruída e hostil, em um futuro ao qual poucos tiveram o azar de sobreviver, uma comunidade resiste, confinada em um gigantesco silo subterrâneo. Lá dentro, mulheres e homens vivem enclausurados, sob regulamentos estritos, cercados por segredos e mentiras.
Para continuar ali, eles precisam seguir as regras, mas há quem se recuse a fazer isso. Essas pessoas são as que ousam sonhar e ter esperança, e que contagiam os outros com seu otimismo.
Um crime cuja punição é simples e mortal.Elas são levadas para o lado de fora.Juliette é uma dessas pessoas.E talvez seja a última.

Esse é daqueles livros que você nota que o autor se dedicou para escrever. Não sei se se classifica como distopia ou pós-apocalíptico, talvez seja os dois. Só sei que me conquistou e estou louca para os próximos livros.

Na primeira parte do livro, conhecemos a parte de cima do Silo, a prefeita, o xerife e o delegado. Na verdade, somos jogados na perspectiva de Holston, o xerife, e já de cara conhecemos um pouco do Silo, algumas conspirações e logo depois, sua morte.

Com a morte do xerife, vamos conhecer Juliette, sua substituta, que antes trabalhava nos últimos andares do Silo, na mecânica.

A história é complexa demais para eu ter pretensão de explicar em breves palavras. Mas o fascinante é que parece que o autor pegou um conta-gotas e foi largando pinguinhos de conhecimento para o leitor à medida que as páginas avançam. Logo a estranheza do início do livro, vira curiosidade para o que vem em seguida e o leitor se sente dentro da história.

Além de lindamente escrito, excelentíssimamente dosado, o autor soube quando introduzir, também, as razões do livro. Em seguida temos a história do livro, que acompanha a Juliette, mas também temos as teorias de conspiração que cercam a história principal da série, em si.

O Silo é descrito como uma espécie de prédio, porém subterrâneo. Com mais de 100 andares, as pessoas - é claro - se dividem em classes e tipos de trabalho. Ah, e não tem elevador, então, nós sofremos junto com os personagens cada vez que eles se locomovem no livro.

Quando alguém comete um crime é condenado à limpeza, que basicamente é sair do silo e limpar as lentes do lado de fora. Só que, claro, o ar é tóxico. Ou seja, são condenados à morte. Aliás, é assim que o xerife morre, ao pedir para ir embora. Ninguém pode expressar vontade de sair do Silo.

É difícil escolher o que contar e o que não contar. O livro é recheado, a história vai se complicando aos poucos e acontecem coisas inimagináveis. É daqueles que te faz sofrer junto com os personagens. Eu adorei!

Isso dito, qual não foi minha surpresa ao ler a sinopse do segundo livro da trilogia, Ordem, e descobrir que não, não vamos ter sequência da história até o terceiro livro! Ordem vai voltar no tempo e contar porque as coisas estão como estão. Eu acho que vai ser super interessante, é claro, mas eu queria muito saber o que acontece na sequência imediata de Silo! Enfim, um pouco frustrante, mas que vai servir para me deixar mais ansiosa pelo terceiro livro.

E você? Já leu?
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…