Pular para o conteúdo principal

Resenha | Jah-Bul-On - Henrique Madeira


Editora: Nova Letra
Páginas: 254
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2015.


As circunstâncias misteriosas da morte de dois aristocratas abalam o alicerce de uma cidade do interior do Estado do Rio Grande do Sul, no final do século XIX. Pressionados pela população e pelos tabloides, os policiais da Guarda Municipal, Alencastro e Moe investigam a fundo o caso do "Degolador à Solta". Entretanto, o que os oficiais não poderiam prever, era que, por trás da história - penetrando um intrincado labirinto de enigmas, mistérios, símbolos, códigos e forças ocultas -, havia uma infinidade de camadas e vetores em meio a qual a verdadeira história se escondia; uma trama construída pelas mãos invisíveis de uma irmandade sigilosa que fizera erguer a cidade e dela participa ativamente no seu desenrolar social, político e econômico.



Eu conheci esse livro através do meu tio, ele me recomendou e o que mais me chamou a atenção foi que o livro se passa na minha cidade natal, Cruz Alta, interior do Rio Grande do Sul.

Depois disso, minha curiosidade foi além com a temática do livro, que trata de literatura policial e maçonaria.

Partindo de várias perspectivas, trata-se de uma investigação de um assassinato. Um degolador está a solta, no séc XIX. Eu achei que iria me localizar melhor, já que se trata da minha cidade, mas acabei descobrindo que não. Imaginei um cenário diferente, com alguns aspectos da realidade.

Como toda boa cidade antiga, Cruz Alta foi construída ao redor de uma igreja. Então, a partir dessa igreja que eu tentei me localizar na cidade. É diferente pensar num cenário tão próximo, foi uma experiência legal. Além de "conhecer a cara da população", não creio que o povo da cidade tenha mudado tanto ao longo do tempo. Ela é uma cidade antiga, com moradores também antigos.

Demorei um pouco para me acostumar com os nomes dos personagens e localizar cada um na história. Mas gostei bastante do livro. Ele não é um thriller, ou seja, eu não comi as páginas junto com meu café da manhã. Mas isso não significa que não seja bom.

Ele se desenvolve mais devagar, mas chega num ponto em que você precisa ler para saber o que acontece. Gostei dos mistérios da maçonaria, que é um tema que me chama a atenção desde os livros do Dan Brown.

Eu lerei o que esse autor, meu conterrâneo, publicar. Pelo bairrismo e pela qualidade. É um mistério de época com gostinho de familiaridade, gostinho do Rio Grande do Sul. Muito bom!


Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…