Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Teorema Katherine - John Green


Editora: Intrínseca
Páginas: 304
Estrelas: ✬✬✬✬

Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine - Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam.
Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.

Eu admiro muito o John Green como pessoa, acompanho quase todos os canais que ele e o Hank patrocinam/financiam. Gostei muito de A Culpa é das Estrelas e de Quem é você, Alasca?, já Cidades de Papel foi decepcionante.

Minhas expectativas para O Teorema Katherine estavam lá embaixo, já li muita gente afirmando que esse era o pior livro dele. Poréééém, eu gostei bastante! Esse deve ser o segredo para fazer boas leituras, não esperar nada do livro.

A trama em si não me chama muito a atenção, um cara viciado em Katherines (e não Catherine, não Catarina, só Katherines, com K e Th) não me parece um personagem que eu possa me identificar. Só que é plenamente possível se identificar com a personalidade dele à parte dessa obsessão. 

Colin "foi diagnosticado" como prodígio, começou a falar quando ainda era um bebê de colo, era o melhor da sala, nerd e super inteligente, brinca com anagramas, sabe coisas bem obscuras sobre praticamente tudo. E por causa desse "diagnóstico", ele leva uma vida frustrada, afinal, ele já tem 17 anos e não realizou nada na vida. Ele sabe, afinal ele é um nerd, que prodígios geralmente atingem o seu pico nessa idade e cita exemplos de grandes personalidades e seus feitos com essa idade.

Sinceramente, eu me identifico com essa frustração com a vida, com esse achar que é possível fazer mais e não ter certeza realmente de que está preenchendo todo seu potencial. Eu não sou um prodígio, mas expectativas frustradas, principalmente as próprias, é uma realidade constante.

Quando a 19ª Katherine termina o relacionamento, ele e seu melhor amigo vão numa roadtrip sem destino certo e acabam passando o verão realizando um trabalho de entrevistas numa pequena cidadezinha americana. Lá, tanto Colin, quanto o amigo, vão explorar seus medos e expectativas.

Então, sim, eu discordo de quem disse que esse é o pior livro do John Green, pra mim esse título vai para Cidades de Papel. E aí que vem a beleza de ler livros, ninguém nunca lê o mesmo livro, tudo que lemos atravessa o filtro da nossa percepção, que é constituído pelas nossas experiências passadas e presentes. Então, pra mim, esse livro foi uma ótima reflexão sobre os meus próprios medos, para outra pessoa, pode ser que ele seja só a história chata de um garoto obcecado por Katherines. Fascinante, não?



Siga o blog!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora: Record Páginas: 220 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977.

Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.