Pular para o conteúdo principal

Resenha | Ligeiramente Casados - Mary Balough

Os Bedwyns #1
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Estrelas: ✬✬✬✬✬


À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse "Custe o que custar!". Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum.
Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela... a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele o que acontecerá em quatro dias.
Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar.
Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados...
Neste primeiro livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos apresenta à família que conhece o luxo e o poder tão bem quanto a paixão e a ousadia. São três irmãos e três irmãs que, em busca do amor, beiram o escândalo e seduzem a cada página.

Então, comecei a ler mais uma série de romances históricos. Peguei o vício com Os Bridgerton e agora não largo. Mais uma família inglesa sem televisão em casa com 6 filhos, ou seja, seis livros.

Os Bedwyns são descendentes de um duque e, por isso, ostentam uma alta posição na sociedade. Aidan, o segundo filho, seguindo as tradições da época, como não herdará o título, segue a carreira militar. Sempre teve um senso de dever muito apurado, então, quando um subordinado seu morre e lhe pede que comunique à irmã sua morte, assim como a proteja, é isso o que ele faz.

Eve é ótima. Ela é mãe adotiva de duas crianças órfãs da família, assim como protege vários "esquisitos" da sociedade. Os rejeitados são sua família. E ela achava que conseguiria protegê-los indefinidamente, afinal, mesmo seu pai sendo morto, não esperava que seu irmão morresse tão já.

Assim, ela tem que cumprir com uma cláusula do testamento do pai, que somente herdaria a propriedade se se casasse no prazo de 1 ano da morte do pai. E esse prazo está se esvaindo.

Juntando dois e dois, Aidan e Eve arranjam um casamento de conveniências. Ambos movidos pelo dever. A ideia era que o casamento fosse de fachada e que Aidan pudesse voltar para o exército, e Eve pudesse continuar vivendo como vive até agora com seus protegidos.

Entretanto, entra na história meu personagem preferido até o momento que é o duque de Bewcastle. Um personagem um tanto taciturno, mas que sempre está presente quando sua família precisa. Ele acaba impondo ao novo casal algumas condições a serem cumpridas, como apresentar a Eve à rainha e outras coisas. Assim, eles acabam passando um tempo juntos e...bom, aí vai.

Como todo romance deve ser, este é de ótima leitura, além de rápida. Com várias intrigas, é impossível não se apegar. Gostei bastante da leitura.



Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Leituras da Semana #42

Nessa semana tirei do caminho um calhamaço de 800 páginas, Outlander - A viajante do tempo. Que livro bom, envolvente, da categoria é grande, mas é rapidíssimo de ser lido.

Conta a história de Claire, que vive em 1945, salvo engano. Ela é casada, mas passou afastada do marido graças à guerra, quando serviu de enfermeira. Eles estão finalmente indo construir um lar quando, num monumento escocês, um agrupado de pedras bem estranho, ela volta no tempo e reaparece 200 anos antes, na época dos clãs escoceses.

Lá, ela é obrigada a construir uma nova vida, pelo menos até que consiga voltar para o seu próprio tempo. Só que ela acaba envolvida numa outra guerra, e suspeitam que ela seja uma espiã inglesa. Bom, aí a vida complica. Mas ao mesmo tempo, ela conhece Jamie ♥ e até que não fica tão difícil assim viver sem banhos quentes.

Gostei muito do livro, acho que ele é super abrangente em temáticas, tem diálogos interessantes e engraçados e por mais que seja longo, as páginas foram bem explorad…