Pular para o conteúdo principal

Resenha | Todos os nossos ontens - Cristin Terrill


Editora: Novo Conceito
Páginas: 352
Estrelas: ✬✬✬✬

O que um governo poderia fazer se pudesse viajar no tempo?
Quem ele poderia destruir antes mesmo que houvesse alguém que se rebelasse?
Quais alianças poderiam ser quebradas antes mesmo de acontecerem?
Em um futuro não tão distante, a vida como a conhecemos se foi, juntamente com nossa liberdade. Bombas estão sendo lançadas por agências administradas pelo governo para que a nação perceba quão fraca é. As pessoas não podem viajar, não podem nem mesmo atravessar a rua sem serem questionadas. O que causou isso? Algo que nunca deveria ter sido tratado com irresponsabilidade: o tempo. O tempo não é linear, nem algo que continua a funcionar. Ele tem leis, e se você quebrá-las, ele apagará você; o tempo em que estava continuará a seguir em frente, como se você nunca tivesse existido e tudo vai acontecer de novo, a menos que você interfira e tente mudá-lo...


Eu estava passeando pelo Skoob quando vi que uma das minhas amigas estava lendo esse livro. Eu não o conhecia, mas não resisti à sinopse e só descansei depois de ler.

O livro começa com a protagonista, Em, acordando em uma cela. Na cela ao lado, Finn, seu "parceiro no crime". A personagem desenvolve uma obsessão pelo ralo de sua cela e não descansa até abri-lo. E é aí que ela descobre que essa é 14ª vez que está presa. Suas treze versões anteriores tentaram modificar o presente e falharam.

O livro intercala entre este presente, Em e Finn e um plano de escapar da prisão. E o passado de Marina, uma moça tranquila, desavisada, apaixonada pelo vizinho James, que é um prodígio, muito inteligente.

É difícil falar desse livro, explicar as duas realidades dele, mas lendo, fica tranquilo de entender. As duas histórias se desenvolvem ao mesmo tempo e se entrelaçam à medida que as páginas passam.

Eu gostei bastante desse livro, apesar de estar esperando uma coisa diferente. Quando eu li a sinopse, eu achei que o foco estaria nas modificações que o governo implementou através da máquina do tempo, porém, a história versa mais sobre como a máquina foi construída, com que propósitos, e na vida dos personagens centrais e como eles tentam destruí-la.

Repito, não era o que eu esperava. O que é praticado pelo governo com a máquina do tempo, para apagar o passado é mencionado só de relance, uma única vez de maneira direta.

A história em si fala bastante dos porquês de fazermos o que fazemos, as escolhas diárias que fazemos que acabam nos tornando quem somos. As motivações por trás de vilões e de mocinhos.

Uma coisa que me incomodou foi ter muito romance. Sinceramente, não precisava de um plot romântico para fazer a história render e quem sabe, se ele não existisse, a autora teria mais páginas para explorar outros aspectos do livro.

De qualquer forma, é uma distopia bem diferente (em termos de história, porque em termos de personagens...) que eu gostei de ler. É super rápida e você quer saber o que vai acontecer em seguida, uma história do passado, encadeia uma do "presente" e toda essa brincadeira com o tempo são bem legais.  



Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.