Pular para o conteúdo principal

Resenha | Todo dia - David Levithan


Editora: Record
Páginas: 280
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 2012.


Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Esse livro estava super na moda quando eu descobri o mundo de livros na Internet. Quando pude, eu comprei e deixei esperando para fazer a leitura.

Lembro que o peguei para ler já era tarde da noite e devorei quase todo naquela noite, só terminei no dia posterior.

A história é de uma pessoa, sem gênero definido, que a cada dia acorda num corpo diferente. É uma coisa que acontece desde que "A" consegue se lembrar e ele tenta se virar, a cada corpo ele tenta manter a vida da pessoa no seu normal, para não chamar atenção até que se apaixona pela namorada de um dos seus "corpos hospedeiros".

Eu já ouvi opiniões diferentes a respeito deste livro. Tem gente que diz que o livro é maravilhoso, fantástico, que a ausência de gênero (será que pode se chamar assim?) deveria ser mais explorada na literatura e que isso cria discussões incríveis. Tenho que dizer que concordo mais com essa opinião.

Também já ouvi falar que foi uma tentativa frustrada de discutir gênero, mas creio que isso possa ser facilmente explicado pelo uso dos pronomes na língua portuguesa. Em português, temos que escolher entre chamar o personagem de Ele ou Ela, não existe um pronome neutro. Assim, é claro que ficar lendo com uma tradução que necessariamente traduz para um gênero é frustrante. Até, alguém sabe qual pronome o autor usa no original?

Enfim, eu gostei bastante do livro. É um jovem adulto interessante e diferente, ao mesmo tempo que usa de clichês também. Rola até um mistério na metade do livro. Então, eu recomendaria a leitura.

Ouvi rumores a respeito de uma continuação deste livro. Acredito que tenha história para escrevê-lo, tem alguns pontos que seria interessante serem melhor explorados, principalmente com a introdução de um certo personagem do meio pro fim do livro. Vou aguardar!


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários! Como vocês vêem a discussão de gênero nos livros?
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…