Pular para o conteúdo principal

Resenha | Ligeiramente Maliciosos - Mary Balough

Os Bedwyns #2
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Estrelas: ✬✬✬✬

Após sofrer um acidente com a diligência em que viajava, Judith Law fica presa à beira da estrada no que parece ser o pior dia de sua vida. No entanto, sua sorte muda quando é resgatada por Ralf Bedard, um atraente cavaleiro de sorriso zombeteiro que se prontifica a levá-la até a estalagem mais próxima.
Filha de um rigoroso pastor, Judith vê no convite do Sr. Bedard a chance de experimentar uma aventura e se apresenta como Claire Campbell, uma atriz independente e confiante, a caminho de York para interpretar um novo papel. A atração entre o casal é instantânea e, num jogo de sedução e mentiras, a jovem dama se entrega a uma tórrida e inesquecível noite de amor.
Judith só não desconfia de que não é a única a usar uma identidade falsa. Ralf Bedard é ninguém menos do que lorde Rannulf Bedwyn, irmão do duque de Bewcastle, que partia para Grandmaison Park a fim de cortejar sua futura noiva: a Srta. Julianne Effingham, prima de Judith.
Quando os dois se reencontram e as máscaras caem, eles precisam tomar uma decisão: seguir com seus papéis de acordo com o que todos consideram socialmente aceitável ou se entregar a uma paixão avassaladora?
Neste segundo livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos conquista com mais um capítulo dessa família que, em meio ao deslumbramento da alta sociedade, busca sempre o amor verdadeiro.

Já rolou resenha do primeiro livro da série Os Bedwyns aqui. Agora está na vez de falar sobre o segundo, agora é a vez de falar sobre Rannulf Bedwyn, terceiro filho da família.

Esse livro é um pouco diferente dos romances de época que estou acostumada a ler por causa, única e exclusivamente, da protagonista feminina Judith. Sua família está em graves apuros financeiros e ela foi mandada para morar com a avó, na mesma casa do tio. Isso significa dizer que ela está desistindo de qualquer sonho que possa ter com relação ao seu futuro e vai virar uma criada da família em troca do seu sustento.

Então, quando sua diligência sofre um acidente e um misterioso homem aparece e oferece para levá-la até o próximo vilarejo, ela faz o impensável para uma jovem "de família". Ela não só vai com ele, mas inventa um alterego de uma atriz e se envolve de maneira carnal com o jovem. Judith pensa que, já que ela pode desistir de uma vida feliz no futuro, deve aproveitar a oportunidade de criar algumas memórias enquanto pode.

Só que Rannulf também não é honesto e também cria um alterego. E depois da "tórrida noite de amor", conforme a sinopse, e depois que Judith foge da estalagem dos dois, eles se reencontram em sociedade. Agora com suas identidades e posições sociais esclarecidas.

Por isso, achei o livro diferente das demais séries de romances históricos que leio. Nunca tinha visto uma protagonista desistir da própria felicidade neste ponto. Vale lembrar que na época, o único caminho para a felicidade de uma mulher era o casamento, por uma questão de semi-independência e, principalmente, por dinheiro. Aliás, esse é um aspecto bem comentado nos livros deste gênero, o status de propriedade que a mulher ostenta, passando do pai ao marido, sem direito de herança.

Também, pelo formato de seu corpo e cor de cabelos, a protagonista cresceu sendo criticada e excluída. Ela achava que era por ser feia, mas na verdade, é aquela velha (e também atual) ideia de que o corpo feminino é pecaminoso e precisa ser escondido para não despertar desejo nos homens - pobres seres irracionais e sem controle -.- 

Enfim, é mais um romance ótimo para se ler numa tarde de domingo chuvosa ou num sábado ensolarado, ou nas férias, ou ao longo da semana mesmo. 


Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…